Governo relança também ‘Caravana da Saúde Indígena’ para 2,5 mil atendimentos em 20 aldeias

Lúcio Borges

Governador foi até a aldeia Amambai. (Foto: divulgação Subcom Gov.MS)

O governo do Estado, tem desenvolvido mais ‘ações’ neste primeiro semestre, até porque após inicio de julho, por causa do ano eleitoral, não poderá mais lançar e ou fazer grandes eventos’. Assim, o que se fez entre os quatro anos de administração está feito. Porém, entre o projeto ‘Caravana da Saúde’, deste atual governo, ainda houve uma ‘novidade’, com o relançamento neste mês, da ação que atende especificamente os ‘Indígenas’. Como aconteceu também neste inicio de ano, com a ‘Caravana nas escolas’, para somente atender diretamente aos alunos, a então terceira edição da Caravana da Saúde Indígena foi realizada na aldeia Amambai, naquele município a 360 km de Campo Grande.

Os indígenas devem receber ainda a realização de mais de 2,5 mil consultas e exames, que conforme o governo, deve chegar para moradores de 20 aldeias de dez municípios da região Sul de Mato Grosso do Sul. O próprio governador Reinaldo Azambuja, nesta manhã de sábado (16), participou da abertura oficial do evento, ratificando os dados.

“Os serviços vão beneficiar indígenas que vivem nos municípios de Amambai, Aral Moreira, Coronel Sapucaia, Eldorado, Iguatemi, Japorã, Laguna Carapã, Paranhos, Sete Quedas e Tacuru. Foi planejado realizar ainda, pelo menos, 2,5 mil consultas e exames e dar sequência aos encaminhamentos aqui da Caravana. Estamos dando oportunidades às nossas comunidades indígenas”, destacou Reinaldo.

Apesar de já ter havia um atendimento parecido em governo há mais de 10 anos atrás, quando era José Orcirio Miranda dos Santos, o então governador, atual subsecretária de Políticas Públicas para Indígenas do Estado, Silvana Terena, mencionou que “Nunca houve na nossa história uma ação como essa dentro das aldeias. Essa ação do governo aproxima a saúde dos indígenas, porque muitos não conseguem sair de dentro das comunidades”, afirmou a secretária, que é uma descendente indígena.

Relatos  de atendidos

Conforme publicado pela assessoria do governo estadual, a atendida Paulina Benitez, 29 anos, contou que esperou muito tempo para que a filha, de 13 anos, passasse por exames no joelho e na perna. Ambas vivem na aldeia Porto Lindo, em Japorã.

Já Joana Silva, 35, moradora da aldeia Paraguassu, em Paranhos, teria dito que “Fiquei um ano esperando ultrassom e só consegui aqui”.

Serviços

As duas primeiras edições da Caravana da Saúde Indígena aconteceram nas regiões de Miranda e Aquidauana, atendendo, em maioria, populações terena. Em Amambai, na região Sul-Fronteira, a expectativa é de contemplar principalmente as etnias guarani e kaiowá.

Entre as especialidades oferecidas em consultas estão cardiologia, dermatologia, endocrinologia, ginecologia, neurologia, neuropediatria, oftalmologia, ortopedia, otorrino, odontologia, psiquiatria, urologia e psicologia. Os indígenas ainda têm acesso a exames de eletrocardiograma, eletroencefalograma, PSA (câncer de próstata), preventivo (papanicolau), mamografia, ultrassonografia, câncer de pele e prevenção ao câncer bucal.

Além das ações em saúde, são oferecidos serviços como reconhecimento de União Estável e emissão de 1° Via de RG e CPF, atividades culturais e de entretenimento (esportes, brinquedos e atividades infantis e pintura em crianças).