Governo quer Exército em região de conflito com indígenas

O Governo do Estado solicitou a presença do Exército Brasileiro em reunião com produtores rurais e autoridades, nesta manhã. O secretário de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, disse que a preocupação é com a soberania nacional, em vista de relatos de produtores de que indígenas paraguaios fazem parte do movimento, que os índios classificam como “retomada” e inclui 95 propriedades em MS, contando com a fazenda Primavera, em Antônio João, ocupada no fim de semana.

27trator
Governo defende indenização ao produtores

Segundo Riedel, na próxima segunda-feira (31) haverá reunião entre representantes da Polícia Federal, Exército e forças de segurança estaduais. “Vamos organizar essa resposta para a região de fronteira com o Paraguai”, disse Riedel.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) conversou com o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, depois de solicitação do senador Waldemir Moka (PMDB). “O ministro disse que só poderia mandar o Exército com autorização do Governo do Estado. Então eu coloquei eles em contato e por telefone o governador fez essa solicitação. Isso se trata de invasão, pois ocupação é um termo para propriedades que não estão sendo usadas e não é o caso das fazendas de produtores que estão há anos ali”, disse Moka.

Segundo Riedel, o empenho do governo para resolver a questão e evitar conflitos é no sentido de articulação junto a bancada ruralista para aprovação da PEC 71 (Proposta de Emenda à Constituição), que prevê indenização, pela terra nua e benfeitorias, a proprietários de áreas declaradas terras indígenas.

Participam da reunião na Famasul o senador Waldemir Moka (PMDB), deputados federais, Elizeu Dionísio (SD), Tereza Cristina (PSB) e os estaduais Beto Pereira (PDT), Marcio Fernandes (PTB), Eduardo Rocha (PMDB), Mara caseiro (PT do B) e Zé Teixeira (DEM).

Comentários

comentários