Governo lança campanha para combater feminicídio e violência à mulher

Agosto-Lilás-74
Luciana Azambuja explica campanha e anuncia ações (Fotos: Chico Ribeiro)

Ação para combater o feminicídio e violência contra as mulheres em Mato Grosso do Sul, que tem números altos, foi lançada na manhã desta segunda-feira (01), pelo governo do Estado, por meio da Subsecretaria de Políticas para as Mulheres. A campanha “Agosto Lilás”, que visa conscientizar a sociedade contra a violência à mulher no Estado, foi aberta hoje, anunciando uma série de atividades em escolas, feiras, locais públicos e até com as autoridades policiais, para divulgar a Lei Maria da Penha e os direitos do público feminino Sul-mato-grossense. Um ato na governadoria com autoridades e movimentos ligados a questão, divulgou as ações, material a ser distribuído no decorrer do mês e se falou de dados e realidade regional, que tem que ser modificado. Foi anunciado que é preciso e pode ser criada novas delegacias da Mulher ainda este ano.

A subsecretária de Políticas para as Mulheres, Luciana Azambuja, apontou que a intenção é no mínimo diminuir o número destes crimes no Estado, que marcam um dos maiores no Brasil. “MS ainda tem um índice alto em relação a média nacional. Neste ano já foram contabilizados 17 casos de feminicídio e 24 tentativas de assassinato no Estado. Estamos trabalhando para combater antes ou mesmo depois esta violência, pois todos os casos, os autores foram identificados. O balanço completo será divulgado no dia 8 de agosto, sendo o que posso adiantar é que vamos combater e punir”, disse ela.

A secretária divulgou que a campanha em especifico neste mês, vai ocorrer durante todos os dias, tendo várias atividades e programas para atingir todos os públicos e idades na maior parte do Estado. “A intenção é que todos tenham acesso a este material e possam se conscientizar sobre seus direitos”, disse Luciana, que relatou que dentre as ações, será levado debates da Lei Maria da Penha para 20 escolas, em 30 turnos, com a expectativa de atingir 5 mil estudantes. A campanha também irá distribui CDs para mulheres deficientes visuais e DVDs aos deficientes auditivos, explicando todos os direitos e como agir em caso de violência. “Como ainda, será publicada uma cartilha na língua guarani e terena, para ser entregue às mulheres indígenas”, finalizou a secretária.

Agosto-Lilás-48O governador Reinaldo Azambuja disse que é preciso levar conscientização sobre o tema, pois apesar da Lei Maria da Penha completar 10 anos, sendo um marco na sociedade, ainda se precisa avançar muito neste caminho. O chefe do Executivo revelou que novas estruturas podem ser criadas no Estado. “Uma violência que deve ser combatida por todos nós, estamos estudando ampliar as delegacias de proteção às mulheres e ações para reverter este quadro. Mas, para que esta campanha possa trazer resultados, o assunto precisa ser uma ‘causa coletiva’, com o engajamento não apenas do poder público, mas de toda sociedade civil”, avaliou.

Parceria em outras ações

Também haverá blitze educativas promovidas pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) e Polícia Militar nas vias públicas, assim como atividades em feiras livres, pontos de ônibus, praças e locais públicos para levar esta informação à população. “Nas redes sociais haverá um post por dia sobre a campanha, que queremos compartilhar”.

Agosto-Lilás-23-672x372Encontro – A Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) vai promover um encontro com a participação de 11 municípios, que possuem delegacias de atendimento a mulher, para orientação de policiais civis e militares, assim como bombeiros.

No segundo momento, a capacitação será com os delegados, escrivães e investigadores de Campo Grande, que trabalham na DEAM (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), Depac (Del de Pronto Atendimento Comunitário) e outros órgãos de segurança.

Comentários

comentários