Gol no último minuto salva derrota do Palmeiras na estreia do Brasileirão

Rafael Marques marca já nos acréscimos e evita derrota do Verdão em casa para o time reserva do Atlético-MG

O fantasma de 2014 passeou pelo Allianz Parque neste sábado e o resultado obtido pelo Palmeiras diante dos reservas do Atlético-MG ficou longe do ideal, mas o Brasileirão deste ano começou com o time lutando até o último instante – literalmente – para arrancar um ponto de uma atuação muito abaixo da média.

Vitor Hugo comemora o primeiro gol do Verdão na partida (Foto: Miguel Schincariol)
Vitor Hugo comemora o primeiro gol do Verdão na partida (Foto: Miguel Schincariol)

Rafael Marques aproveitou cruzamento de Kelvin para definir o empate por 2 a 2 aos 49 minutos do segundo tempo, quando o Verdão já não tinha volantes em campo e o zagueiro Vitor Hugo havia se transformado em centroavante. Explosão da torcida “comum”, que foi à forra contra as organizadas, que abdicaram de apoiar e ficaram em silêncio durante todo o tempo para reclamar do preço dos ingressos na arena.

Foi um jogo eletrizante, sobretudo no segundo tempo. Quando Patric arrancou livre pela Avenida Zé Roberto aos 5 minutos do segundo tempo e venceu Fernando Prass com um tiro cruzado, como ele mesmo fez com a camisa do Sport, na inauguração do estádio, o filme do ano passado passou pela cabeça do palmeirense. Foi só o Brasileirão começar para o sofrimento voltar com tudo?

Porque até ali o time reserva atleticano era muito mais organizado que os titulares alviverdes, tanto que a melhor chance do primeiro tempo havia sido de Maicosuel, barrado por uma grande defensa de Prass.

Valdivia, apagadíssimo, saiu vaiado como quase nunca para Egídio estrear e tentar fechar os espaços que Zé Roberto deixava abertos. Oswaldo também tirou Dudu e Gabriel, o único volante de marcação, para colocar Kelvin e Alan Patrick. O Palmeiras se escancarou para buscar o empate. E buscou com um gol de cabeça de Vitor Hugo, aos 36.

Mas ainda havia tempo para mais, muito mais. Jô despejou um balde de água fria sobre o ímpeto dos mandantes ao receber de Josué e tocar na saída do goleiro, aos 40. Os mineiros, aproveitando o silêncio do lado oposto, já comemoravam a estreia com o pé direito quando Rafael Marques fez o gol que transformou uma derrota decepcionante em um empate que causou até um certo alívio.

Ao Atlético-MG, resta comemorar por pontuar fora de casa diante de um dos possíveis postulantes ao título mesmo com as atenções totalmente voltadas à Libertadores. Além disso, são sete vitórias do Galo e um empate nos últimos oito confrontos com o Verdão, o que configura o maior tabu da história do duelo.

Ao Palmeiras, resta torcer para que dias mais calmos venham.

FICHA TÉCNICA PALMEIRAS 2 X 2 ATLÉTICO-MG

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data/hora: 9 de maio de 2015, às 18h30 (de Brasília)
Juiz: Felipe Gomes da Silva (PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (ambos do PR)
Público/Renda: 28.781 pagantes / R$ 2.004.965,00
Cartões amarelos: Gabriel e Robinho (PAL); Jô, Patric e Josué (ATL).

GOLS: Patric, aos 6’/2ºT (0-1); Vitor Hugo, aos 36’/2ºT (1-1); Jô, aos 40’/2ºT (1-2) e Rafael Marques, aos 50’/2ºT (2-2).

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel (Alan Patrick, 25’/2ºT), Robinho, Valdivia (Egidio, 14’/2ºT), Rafael Marques e Dudu (Kelvin, 25’/2ºT); Gabriel Jesus. Técnico: Oswaldo de Oliveira

ATLÉTICO-MG: Victor; Patric, Tiago, Edcarlos e Pedro Botelho; Josué, Eduardo (Danilo Pires, 33’/2ºT), Cardenas (Carlos, 13’/2ºT) e Giovanni Augusto; Maicosuel e Jô. Técnico: Levir Culpi.

LANCEPRESS!

Comentários

comentários