Gilmar Mendes diz que gravação de Calero com Temer iria ‘para o Guinness’

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes afirmou nesta sexta-feira (25) que as acusações envolvendo o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, feitas por parte do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero “estão sendo magnificadas” e que a informação de que Calero teria gravado o pedido do presidente Michel Temer para que intercedesse no caso se for verdade “é um fato que vai para o Guinness (livro de recordes)”.

gui

Mendes falou à imprensa antes de saber do pedido de demissão de Geddel. Ele participa de um seminário na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), na capital paulista, que debateu os 20 anos da lei de arbitragem no país.

“As coisas acho que a meu ver estão sendo magnificadas. Na verdade há uma grande confusão. Hoje lendo em diversos jornais eu vejo algo assim inusitado, a história de que o ministro teria gravado o presidente da República”, disse.

“De fato se isso ocorreu é um fato que vai para o Guinness, alguma coisa realmente inusitada e claro absolutamente despropositada. Um profissional, do ministério, do Itamaraty, tenha este tipo de conduta suscita realmente bastante preocupação”, disse Mendes em São Paulo.

O ministro do STF tentou diminuir o potencial do caso. “Mas eu acredito que este episódio será tratado pelos meios adequados e terá o devido encaminhamento. Nós temos crises maiores e temos desafios maiores do que um episódio relativo a um flat longínquo numa praia aí da Bahia”, adicionou Mendes.

Questionado sobre se não ficou evidente no contexto tráfico de influência, o ministro do Supremo afirmou: “Isso terá que ser examinado oportunamente quando houver denúncia, se houver denúncia, se tivermos que julgar”, afirmou.

Caixa 2

Gilmar Mendes criticou setores da sociedade e da imprensa que afirmam no debate em relação à emenda do caixa dois que haverá anistia ao crime cometido até então porque, explicou, a lei nova não pode atingir fatos que ocorreram no passado e até então não havia previsão legal que dizia que era crime o caixa dois. Segundo o ministro, “há uma batalha de Itararé de desinformação” e “impropriedade” no uso do termo “anistia”.

“Sabe que eu estou percebendo na verdade que há um tipo de ‘batalha de Itararé’ de desinformação neste tipo de matéria, um jogo assim talvez de assimetria de informações. No que diz respeito ao caixa dois, no qual se reconhece que inicialmente não era crime, é claro que o crime só existirá daqui pra frente, agora se houver corrupção, lavagem de dinheiro, estelionato, qualquer outro tipo de prática, claro que não há de se falar de anistia”, disse Mendes.

“Evidente que em relação à nova tipificação, ela não vai se aplicar a fatos anteriores e também não é de se falar em anistia, nem precisa falar em anistia, porque a lei não retroage. Me parece que está havendo aí uma brutal confusão, não sei se é intencional, se de fato há pessoas tentando anistiar outros crimes, eu não conheço o texto, ou se há realmente despreparo no debate. Mas a mim me parece que há uma batalha de Itararé porque está se falando de coisa que não faz sentido”, afirmou ele.

Comentários

comentários