Gaeco detalha operação Cofee Break em entrevista coletiva às 15h

O Marcos Alex Vera de Oliveira informou que o prefeito Gilmar Olarte (PP), e o presidente da Câmara Municipal, Mário César (PMDB), permanecerão afastados por um período ainda não definido, para a conclusão das investigações da Operação Coffe Break, deflagrada pelo Gaeco(Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) na manhã desta terça-feira (25). O afastamento foi determinado pelo desembargador Luis Claudio Bonassini da Silva.

O coordenador do Gaeco, Marcos Alex Vera de Oliveira, é quem vai dar detalhes sobre a ação de hoje. Foto Silvio Ferreira
O coordenador do Gaeco, Marcos Alex Vera de Oliveira, é quem vai dar detalhes sobre a ação de hoje. Foto Silvio Ferreira

Ao afastamento do prefeito Gilmar Olarte e do prefeito Mário César – que inclui a proibição de ingresso e permanência na prefeitura e na Câmara, respectivamente – somam-se 13 mandados de condução coercitiva (quando o investigado é intimado e conduzido obrigatoriamente para prestar depoimento e posteriormente liberado), de nove vereadores, um ex-vereador e três empresários, que prestaram depoimentos na sede do Gaeco, durante toda a manhã.

Entre os ouvidos estariam, em uma lista extra-oficial: os vereadores Edil Albuquerque (PMDB), Airton Saraiva (DEM), Waldecy Batista Nunes, o Chocolate (PP), Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), Edson Shimabukuro (PTB), Paulo Siufi (PMDB), Eduardo Romero, Flavio Cesar e Otávio Trad, do PTdoB, Gilmar da Cruz (PRB); e do ex-vereador Alceu Bueno, além dos empresários João Amorim (Proteco), João Baird (Itel Informática) e Fábio Portela Machinski.

O Gaeco cumpriu ainda 17 mandados de busca e apreensão, que incluíram a apreensão dos aparelhos celulares do prefeito e do presidente da Câmara para perícia.

Segundo a assessoria de imprensa do MPE, logo mais às 15h, o procurador geral do estado, Humberto de Matos; o coordenador do Gaeco, Marcos Alex Vera de Oliveira; e o procurador responsável pela Operação “Lama Asfáltica” Thales Franklin Souza concederão uma entrevista coletiva para apresentar os detalhes da investigação, na Procuradoria Geral do Estado.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários