Gaeco cumpre mandados de prisão e apreensão na Seleta

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) amanheceu na Seleta (Sociedade Caritativa e Humanitária) nesta terça-feira (13). Ainda não se sabe o motivo que levou o grupo ao local, mas a entidade é alvo de ações na Justiça, por conta de convênios que mantém com a Prefeitura de Campo Grande..

Instituição mantém contratos com a prefeitura da Capital

Segundo a assessoria do Ministério Público Estadual (MPE), servidores cumprem mandados de busca e apreensão, condução coercitiva e de prisão temporária.

IRREGULARIDADES

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público Estadual (MPE) constatou irregularidades na contratação de terceirizados via Seleta e também Omep. Entre elas remuneração diferenciada ou desproporcional para mesmos cargos e funções. Há casos, segundo o MPE, em que o contratado não atua no Executivo, mas sim em empresa própria, por exemplo.

Além de pedir que as irregularidades sejam sanadas, o órgão pede para que os cargos sejam preenchidos com pessoal contratado via concurso público.

Decisão do do juiz David de Oliveira Gomes Filho, titular da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, determinou a demissão dos funcionários.

Além disso, o município está proibido de realizar novas contratações por meio dessas duas entidades, sob pena de multa de R$ 10 mil por pessoa.

Apesar da promessa de demissões, não houve, até agora, nenhuma ação da prefeitura com relação ao desligamento destes funcionários terceirizados.

Comentários