Fundac abre inscrições para curso de Cerâmica na Capital

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Fundac (Fundação Municipal de Cultura) abre novas inscrições para Oficina de Iniciação à Cerâmica que acontecerá todas as terças-feiras, de 14 horas às 16h30mn, no Atelier Livre do Horto Florestal. O Curso é contínuo e gratuito para pessoas a partir dos 12 anos, com vagas limitadas.

A artista, ceramista e arte-educadora Helena Belalian, ministrante do curso, pretende mostrar o universo da cerâmica através de aulas teóricas e praticas ensinando as principais técnicas de construção do trabalho cerâmico dando ênfase a criação. O inscrito terá que arcar, apenas, com a compra do material que será informado pela professora.

História da cerâmica
A história da cerâmica começa com a descoberta do fogo. O homem verificou que, ao ser queimada, a argila transformava-se em material inalterável pela água. A versatilidade da cerâmica está diretamente ligada à versatilidade do próprio homem. Desde o início foi usada para a confecção de objetos decorativos e utilitários. De acordo com a ceramista, com a cerâmica o homem redescobre sua própria história.

Trata-se de uma das grandes artes da civilização. Há milênios, sob todas as formas – barro esmaltado ou não, faiança ou porcelana-, a cerâmica está presentes em todos os lares, humildes ou aristocráticos. Helena destaca que a cerâmica foi sempre parte integrante do desenvolvimento de diversas culturas.

A ceramista explica que durante toda a sua história, a cerâmica foi considerada como arte. “Para o ceramista o sucesso de uma obra não depende apenas da habilidade, mas principalmente, do ponto de vista inicial, ou seja, a ideia”, comenta.

Ela afirma que o ceramista tem uma profunda ligação com a terra e com seu trabalho. “É este envolvimento e comprometimento com o barro que faz com que as peças sejam únicas e mais que tudo, ideias concretizadas”.

O homem perdeu pela massificação, a intimidade com as coisas e segundo a artista, o homem urbano de hoje não planta, nem sabe de onde veio aquilo que come e o que produz não sabe para onde vai. “Reencontrar o valor das coisas perdidas é o anseio do homem atual, atropelado em sua própria natureza pelo mundo com que, diariamente, se defronta.

A cerâmica vem ao encontro do preenchimento desse elo tão gasto na ligação do homem com a realidade palpável”, completa. Helena comenta que vem daí o fascínio que a cerâmica no seu resultado e processo tem exercido sobre as populações urbanas.

Seja qual for a técnica utilizada, o material principal é a argila. Ela é de uma terra fina, mole e impermeável, que com água, resulta uma massa plástica; e quando queimada se transforma em cerâmica. A argila é material fácil de se conseguir, é pode ser utilizada para fazer objetos utilitários e escultóricos.

Os processos envolvidos na realização das peças de cerâmica são relativamente simples, mas é necessário ter experiência para dominá-lo, e esta só se adquire com o trabalho e o estudo.

Serviço:
Oficina de Cerâmica
Todas as terças –feiras
Duração do Curso: permanente
Horário: Das 14 às 16h30min
Local: Atelier Livre do Horto Florestal (rua Joel Dibo, em frente ao Senac).

 Fundac.

Comentários

comentários