Funcionário da Agetran desaparecido há 5 dias é encontrado morto a facadas e tiros

É de Givaldo Domingues da Silva, de 43 anos, o corpo do homem encontrado com marcas de tiros e facadas às margens da BR-262, altura do quilômetro 356, no anel rodoviário, na saída de Sridrolândia, na manhã de hoje (11).

A ex-mulher identificou o corpo da vítima (Foto: Rafael Ribeiro)

Ele estava desaparecido desde o último sábado (6).

Givaldo era funcionário da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) e trabalhava no setor de manutenção de semáforos.

Seu corpo foi reconhecido na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento) da Vila Piratininga, por sua ex-mulher, Kátia Regina de Castro da Silva.

Em depoimento à polícia, ela disse que estava em processo de separação e na última semana havia assinado a papelada do divórcio. Segundo ela, Givaldo estava envolvido com duas mulheres, sendo uma delas casada. Ainda não se sabe o motivo do crime.

Achado 

Por volta das 6h, moradores acionaram a PRF (Polícia Rodoviária Federal), incomodados com o mau cheiro. O corpo estava numa vala, em uma das saídas da pista para o presídio da Gameleira.

O cadáver, em adiantado estado de decomposição, tinha marcas tanto de tiros quanto de facadas. A vítima pode ter sido alvejada mais de seis vezes, segundo peritos que fizeram a remoção.

Pelo estado do corpo, a avaliação inicial é de que o assassinato pode ter ocorrido há quatro dias. O corpo foi levado para o Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) para a realização de mais exames.

Na avaliação inicial da polícia, a hipótese é de que Givaldo pode ter sido vítima de uma execução. O nível de violência é compatível com o de tribunais do crime, organizados por facções criminosas para matar desafetos.

Até o momento, não há informação sobre os suspeitos.

Comentários