Força tarefa da Lama Asfáltica prende Amorim, Giroto, Elza e mais seis

A Força Tarefa da Operação Lama Asfáltica cumpriu nove mandados de prisão na manhã de hoje em Campo Grande e Rio Negro e prenderam o ex-secretário de Obras de Mato Grosso do Sul e ex-deputado Edson Giroto e o empresário João Amorim. Informações não confirmadas dão conta que teria sido presa a secretária e sócia do empresário Elza Araújo dos Santos.

Amorin foi preso nesta manhã
Amorin foi preso nesta manhã

Informações iniciais apontam que equipes da Polícia Civil cumpriram os mandados que foram solicitados pela 29ª Promotoria de Justiça de Campo Grande. O caso é mantido sob sigilo.

No MPE, a assessoria de comunicação diz não ter informações sobre as prisões. A força-tarefa é um desmembramento estadual da Lama Asfáltica, que investiga suposto esquema de desvio de verbas públicas em diferentes esferas do poder público.

A Força Tarefa criada pelo MPE é coordenada pelo promotor Thalys Franklyn de Souza, que mantém os trabalhos em sigilo sob o argumento de que é para não prejudicar as investigações. Na Lama Asfáltica, deflagrada no dia 9 de julho deste ano, Giroto foi um dos alvos e na casa dele a Polícia Federal e a CGU (Controladoria Geral da União) cumpriram mandados de busca e apreensão.

Num dos relatórios da Operação Lama Asfáltica é citado que Edson Giroto “possui forte ligação com João Amorim, obrigou a empresa Egelte a entregar a obra do Aquário do Pantanal à empresa Proteco”. O ex-secretário foi monitorado pelos policiais federais e no relatório de investigação foram anexados fotos das várias viagens que ele fez no avião que é de João Amorim e João Baird, dono da Itel Informática.

A Força Tarefa investiga o desvio de recursos estaduais na execução de obras contratadas pelo Governo do Estado e a Lama Asfáltica, conduzida pelos órgãos federais, apura desvio de recursos federais por meio de fraudes em licitações e corrupção de servidores estaduais.

Comentários

comentários