Foragido da Justiça é morto a tiros após roubar comércio e atirar contra PM

Foragido do estabelecimento penal de regime semiaberto desde 30 de novembro deste ano, e com mandado de prisão expedido contra ele, um homem de 31 anos foi morto num confronto com a Polícia Militar de Corumbá, ao ser flagrado furtando uma mercearia na rua 13 de Junho, área central da cidade, às 04h50 desta sexta-feira, 16 de dezembro.

De acordo com a PM, Robson Campos tinha 26 passagens – em ocorrências que se repetiam – pelos crimes de furto qualificado com rompimento de obstáculo, roubo com emprego de arma de fogo, furto, portar drogas, violação de domicílio, desobediência, tráfico de drogas, disparo de arma de fogo e roubo na forma tentada.

O boletim de ocorrência (7466/2016), registrado na Delegacia de Polícia Civil como morte a esclarecer, traz a informação que a Polícia Militar foi acionada para verificar a denúncia que dois homens invadiram estabelecimento comercial. O local foi cercado pela PM e uma guarnição entrou na mercearia. Varredura no primeiro piso constatou que o espaço – totalmente escuro – estava revirado e que havia janela com vidros quebrados.

No segundo piso, os policiais constataram o arrombamento de uma porta de ferro. Ali, se depararam com um homem que atirou contra a guarnição. Os disparos foram revidados pela PM, que deu cinco tiros com submetralhadora ponto 40, a uma distância aproximada de 5 metros. Ao cessarem os disparos, Robson – que era conhecido pelo apelido de “Bloco” – estava caído no chão. Ao lado dele, havia um revólver calibre 22, com duas munições deflagradas e três intactas.

Como ainda apresentava sinais vitais, informou a Polícia Militar, ele foi levado para o pronto-socorro, onde morreu. Com ele, os militares do 6º Batalhão encontraram uma sacola plástica contendo a quantia em dinheiro de 2.150 bolivianos (aproximadamente R$ 1,2 mil) e R$ 1,80 em moedas. O segundo envolvido no furto conseguiu escapar pela janela que dá acesso ao telhado. Ele é magro e vestia calça jeans e camiseta vermelha. (diarionline)

Comentários