Foragida da Justiça, Falsa pastora é presa por aplicar golpes em fiéis

Da Redação

Falsa pastora aproveitava dos fiés para pedir dinheiro, de maneira muito incisiva, afirmando ser para as obras de Deus (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A Polícia Civil prendeu na manhã desta segunda-feira (2), no assentamento Nova Mutum, em Ribas do Rio Pardo, Claudeci Santos Almeida, 32 anos, falsa pastora que aplicava golpes e estava sendo procurada pela Justiça de Goiás.

Conforme a Polícia Civil, a foragida fazia atendimentos religiosos tanto em sua casa, como nas casas das vítimas e em uma igreja localizada na Rua dos Tupinambás, na Vila Palmira, em Campo Grande. Nessas ocasiões, se aproveitava dos fiéis para pedir dinheiro, afirmando ser para as obras de Deus.

A Polícia Civil  já vinha investigando a mulher. Ao localizar a acusada no assentamento Mutum, durante operação conjunta entre a Delegacia de Ribas do Rio Pardo e a Corregedoria-Geral da Polícia Civil, comprovou que havia um mandado de prisão em aberto, expedido pela Justiça de Goiás, de onde a falsa pastora fugiu após aplicar vários golpes.

Fiéis relataram à polícia terem doado até R$ 20 mil à falsa pastora, que se apossava dos valores, que eram utilizados por ela de forma pessoal.

Em Campo Grande, duas pessoas registraram boletins de ocorrência contra a falsa pastora. As vítimas são uma empresária de 42 anos, que diante da crise financeira, foi aconselhada por uma comparsa da acusada, a realizar uma campanha de oração. Ao todo a estelionatária cobrou R$ 7 mil pelos serviços religiosos e mais R$ 1.200 por uma porção de mirra, que segundo ela, vinha de Israel.

A segunda vítima é uma dona de casa de 38 anos, que teria pago R$ 5 mil a falsa pastora, por uma campanha religiosa. Além disso, a vítima ainda teria emprestado mais R$ 2 mil para a acusada, repassados via compra no cartão de crédito. A mãe da vítima também teria repassado dinheiro à acusada.

Presa em Ribas do Rio Pardo, a mulher será encaminhada para Campo Grande, onde deve prestar esclarecimentos à Polícia Civil.

Comentários