FMI reduz crescimento do Brasil em 2017 e eleva o de EUA e China

A recuperação da economia brasileira será ainda mais lenta do que se pensava, segundo relatório divulgado nesta segunda (16) pelo FMI (Fundo Monetário Internacional). A estimativa do Fundo é que o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2017 será de 0,2%, menos que os já modestos 0,5% previstos em outubro.

Depois de dois anos em queda (-3,8% em 2015 e -3,5% em 2016), o PIB brasileiro começa o ano sob a expectativa de melhora em desaceleração, mesmo entre os mais otimistas. No fim de 2016 o ministério da Fazenda já havia baixado de 1,6% para 1% a estimativa de expansão do PIB neste ano.

Projeções de economistas consultados pelo Banco Central no Boletim Focus apontam para crescimento de 0,50% da economia brasileira neste ano.

De acordo com o relatório Panorama Econômico Global, uma retomada mais robusta deve acontecer em 2018, quando o Fundo prevê crescimento do PIB brasileiro de 1,5%.

A saída mais lenta da recessão no Brasil puxou para baixo o crescimento como um todo da América Latina em 2017, para 1,2%.

“Na América Latina, o rebaixamento do crescimento reflete em grande parte as expectativas não cumpridas de uma recuperação de curto prazo na Argentina e no Brasil”, diz o relatório, que também cita outros motivos, como condições financeiras mais estritas e a incerteza provocada pela eleição de Donald Trump.

(Folha de S. Paulo)

Comentários