Flamengo e Palmeiras se confrontam nesta quarta na Ilha do Urubu

Da Redação/JN

Flamengo e Palmeiras protagonizaram grandes duelos ao longo da história. Um clássico tradicional do cenário nacional, mas que, desde o ano passado, ganhou novos elementos e polêmicas que elevaram o patamar da rivalidade.

Duas das maiores forças do futebol brasileiro atual, os clubes disputaram rodada a rodada o título brasileiro de 2016 – o Alviverde foi o campeão, e o Rubro-Negro, no fim, caiu para a terceira posição. Na atual temporada, paulistas e cariocas duelarão pela primeira vez nesta quarta-feira.

O Flamengo recebe o Palmeiras às 21h45, na Ilha do Urubu. O Rubro-Negro ocupa atualmente a quarta colocação do Campeonato Brasileiro, com 24 pontos. A equipe paulista está na quinta posição, dois pontos atrás.

Nem cheiro


Após a conquista do Campeonato Brasileiro do ano passado, o Palmeiras lançou uma camiseta comemorativa com provocações. O recado, no entanto, não era para os tradicionais rivais Corinthians ou São Paulo. A inscrição ”Sem choro, nem cheiro” tinha como alvo claro o Flamengo, lembrando a brincadeira do ”cheirinho de hepta” criada pelos torcedores rubro-negros durante a disputa pelo caneco da competição.

Um dos destaques do time do Palmeiras campeão em 2016, Dudu também postou provocação nas redes sociais após o titulo. Ele publicou uma foto ao lado do meio-campista Rafael Marques e de amigos, todos vestindo uma camiseta em que se lia “Não deu nem pro cheiro”. Na legenda do post, o atacante repetiu a frase.

E o cheirinho no ar

O ”cheirinho” voltou a ser citado na arena do Palmeiras em 2017. Durante o jogo entre o Alviverde e o Internacional, pela Copa do Brasil, o locutor do estádio anunciou o segundo gol do San Lorenzo – que eliminava o Flamengo da Libertadores – com a frase: ”Cheirinho no ar”.

E essa não foi a primeira vez que o locutor da arena palmeirense fez isso. Em 2016, durante a briga pelo título brasileiro entre Palmeiras e Flamengo, um gol do rival Corinthians contra o Rubro-Negro foi noticiado no estádio da mesma maneira.

Calma, Nobre!

Em setembro de 2016, Palmeiras e Flamengo travaram um duelo de líder contra vice-líder do Brasileirão (jogo terminou empatado em 1 a 1). Fora de campo, o então presidente alviverde Paulo Nobre se envolveu em confusão com convidados de um camarote de um patrocinador.

O dirigente se irritou com a presença de um torcedor do Flamengo no local e teria tentado invadir o camarote acompanhado por mais de dez seguranças.

Você também, Bandeira

No mesmo jogo, o presidente Eduardo Bandeira de Mello queixou-se de ter sido hostilizado por palmeirenses durante a partida. Imagens divulgadas posteriormente mostraram o dirigentes rubro-negro em pé, no camarote reservado à sua diretoria, fazendo gestos para a arquibancada e batendo boca com os torcedores rivais.

Palmeiras vira personagem do Fla-Flu

Um dia após a vitória do Flamengo sobre o Fluminense, em outubro do ano passado, dirigentes do Palmeiras surpreenderam e convocaram entrevista coletiva para comentar a polêmica de arbitragem do clássico carioca. Na ocasião, houve questionamento de uso de interferência externa para anular um gol do Tricolor. Paulo Nobre e o diretor de futebol Alexandre Matos falaram em ”mancha no campeonato” e alegaram pressão do Rubro-Negro em juízes.

Fla também questionou jogo do Palmeiras

Dias depois, Bandeira também voltou suas atenções para o jogo do rival paulista. Após a derrota do Fla para o Internacional, em outubro, ele questionou e mostrou vídeo do lance que deu o triunfo do Palmeiras sobre o Figueirense para os jornalistas presentes no Beira Rio. Para o dirigente, não houve pênalti na jogada que resultou no primeiro gol da equipe paulista – Gabriel Jesus sofreu um tranco dentro da área.

Comentários