Fiscalização interdita mais quatro academias na Capital em terceira ação no ano

Lúcio Borges

As academias esportivas se espalharam por Campo Grande, mas com elas sem planejar ou pensar mesmo na sua total regularidade e qualidade. As constatação foi feita mais uma vez nesta segunda-feira (6), sendo a terceira vez neste ano, com quatro academias sendo interditadas com diversas irregularidades para seu funcionamento. Ontem, foram três, sendo que hoje continua o trabalho, onde já se pegou a quarta, em fiscalizações realizadas pelo Procon-MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor de Mato Grosso do Sul), Cref 11 (Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região – MS) e Decon (Delegacia Especializada em Proteção ao Consumidor).

Conforme relato do trabalho, os fiscais encontraram irregularidades nos estabelecimentos como a falta de alvarás de funcionamento, profissionais não qualificados e até a venda de suplementos com irregularidades nos rótulos. “Iriamos a oito pontos e já chegamos a quatro verificadas nesta segunda-feira, sendo que três foram interditadas. Hoje (7), mais quatro ‘batidas’ estão programadas, sendo que a primeira academia a ser fiscalizada – na rua Brilhante – já foi interditada”, divulgou o atual superintendente do Procon MS, Nikollas Pellat.

Pellat comentou que o tipo de operação é ou já foi feita pelos órgãos, mas que desta vez o resultados das anteriores poe ter levado a está, pois já se iniciou com denúncias levadas ao Cref 11, de que os estabelecimentos estariam sem regularização junto ao Conselho e sem o profissional qualificado de Educação Física. “Assim constatamos e os fiscais do órgão Procon, aproveitaram para fiscalizar a venda de suplementos e também encontraram embalagens que não atendiam às determinações do Código de Defesa do Consumidor”, disse.

Superintendente do Procon MS, Nikollas Pellat

As academias fiscalizadas já haviam sido informadas que estavam com irregularidades, mas, mas não se adequaram aos procedimentos exigidos.

O superintendente do Procon falou dos encaminhamentos. “Em caso de interdição, o comerciante é informado de toda a documentação que ele precisa encaminhar ao Procon MS, para juntar ao processo e a academia poder ser aberta de novo. Caso a irregularidade não seja de risco ao consumidor, como a regularização junto ao Cref, é dado um prazo de 30 dias para a regularização”, explica Pellat.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here