“Fantasmas” agitam e fazem sessão da AL ser encerrada

Manifestantes ocuparam cadeiras por todo plenário da AL-MS (Foto: Lúcio Borges)
Manifestantes ocuparam cadeiras por todo plenário da AL-MS (Foto: Lúcio Borges)

Manifestação politico-eleitoral em um “caça fantasma”, causou uma certa movimentação e acabou até por encerrar a sessão ordinária desta quinta-feira (29) na AL-MS (Assembleia Legislativa de MS). Um grupo de 15 pessoas foi até a Casa de Lei travestidos com panos brancos, lembrando a caricatura de fantasma e em referência ao noticiado na campanha eleitoral, sobre o deputado estadual Marquinhos Trad, candidato a prefeito de Campo Grande, que teria sido funcionário do Legislativo por anos, mas não cumpria expediente e era bem remunerado. A direção da Casa alegou que encerrou a sessão, por falta de quórum para deliberar a pauta do dia. O presidente Junior Mochi, não quis se pronunciar sobre o ‘manifesto’, apenas sorriu.

O assunto ou denuncia ocorreu em debate eleitoral realizado pelo SBT, na noite da última terça-feira (27), através do candidato do PPS, Athayde Neri. O caso repercutiu muito no meio politico-eleitoral, com embates entre os concorrentes e exibição pelas redes sociais, de videos produzidos sobre a denuncia, que ‘pipocaram’ durante todo o outro dia, nesta quarta-feira. A repercussão eleitoral continua e deve seguir até domingo, como hoje, que se materializou no manifesto em referencia a Marquinhos. O parlamentar que em geral comparece as sessões, não estava na sessão no momento e nem no gabinete.

O grupo que esteve no plenário da AL-MS, alegava não ter sido enviado por nenhum candidato e que não estava fazendo campanha, mas sim um ‘protesto’. “Não faço campanha para ninguém, chega de safadez, de palhaçada nessa política. Se surgir outro nessa situação, nós vamos vir aqui também, amanhã ou depois”, diziam diversos manifestantes.

whatsapp-image-2016-09-29-at-10-26-47-am
Comerciante de “cara limpa”

O comerciante Toni Carlos, único que se identificou na manifestação, afirmou que assistiu ao debate em que surgiu a situação e, por isso, resolveu protestar. “Não fazemos parte de nenhum partido ou campanha. Vi o assunto no debate da TV e nos reunimos, organizamos para hoje, ontem não deu tempo, pois veio da ‘noite pro dia não é’. Mas pode ser outro deputado candidato, o Bernal, a Rose que vou protestar…Além de que, meu voto até vai ser nulo”, disse.

Do outro lado

Contudo, apesar das falas em contrario, em não ser protesto ‘armado’ no penúltimo dia de campanha eleitoral, os manifestantes deixaram carros estacionados fora do Parque dos Poderes, longe da AL-MS, que possui amplo estacionamento. Os veículos que ficaram na entrada pela Avenida Mato Grosso, tinha alguns adesivos de candidatos de chapas adversárias a de Trad.

dsc_0252O deputado Lídio Lopes (PEN), que tem sua esposa como candidata a vice de Marquinhos, foi nominado pelos manifestantes, que gritaram: eae Lídio, já tem fantasma também?. Ele
demonstrou um misto de insatisfação por ser citado e por outro lado, satisfeito, com o possível resultado da eleição. “Política é isso, gera sentimentos e atos como este, questionável, mas que não podemos impedir exatamente. Contudo, ação como esta e outras, quanto mais fazem este tipo de manifesto ‘por baixo’, mais a nossa candidatura – Marquinhos- cresce e vai chegar muito bem no final”, avaliou o parlamentar.

ÚNICA AÇÃO

heloisegimenes29920161111
Foto: Victor Chileno – AL-MS

Antes da sessão ordinária, que durou menos de uma hora, ser encerrada, além de procedimentos iniciais de apresentação de indicações, ocorreu uma unica ação na chamada “Palavra Livre”, que hoje levou a tribuna da Casa, o presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis do Estado), Giancarlo Corrêa Miranda.

O representante da categoria, em meio ao manifesto, que acabou por também hostiliza-lo, falou do ofício do policial civil, no dia em que se comemora o Dia da Polícia Civil em Mato Grosso do Sul. Ele usou a tribuna para ressaltar a necessidade de valorização dos profissionais encarregados de combater a violência e promover a justiça no Estado.

Comentários

comentários