Famílias no interior recebem a tão sonhada escritura de fazenda

As 40 famílias assentadas na Fazenda Boa Sorte, no município de Rochedo, em Mato Grosso do Sul, vão receber a tão sonhada escritura da terra para morar e tirar o sustento.

A entrega vai ser realizada na propriedade, neste sábado às 9h. A ação é do governo do Estado juntamente com a DFDA-MS (Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário), que representa a Sead (Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário), responsável pelo PNCF (Programa Nacional de Crédito Fundiário).

40 famílias assentadas na Fazenda Boa Sorte terão escrituras (Foto: Divulgação )

São 261 hectares, onde os assentados pretendem produzir mandioca, milho verde irrigado, melancia e abóbora em uma propriedade que antes era dedicada à pecuária.

O evento marca o início de uma nova etapa para essas famílias, uma vez que receber o contrato de financiamento com força de escritura é o primeiro passo para aderir a outras políticas públicas desenvolvidas pela Sead. O PNCF é um programa voltado para a infraestrutura, já que também proporciona acesso à assistência técnica e extensão rural.

As delegacias federais presentes em cada unidade federativa do país têm o papel de representar a Sead e levar ações da agricultura familiar até cada produtor para possibilitar o desenvolvimento sustentável. O delegado de Mato Grosso do Sul, Dorival Betini, conta que tem cumprido o objetivo de manter o homem no campo. Para ele, o estado é referência de atuação.

“O PNCF é bem executado aqui. Temos boa demanda das famílias, terras produtivas, preço que o governo concorda em financiar e nos tornamos um exemplo. O resultado é bastante positivo em todos assentamentos feitos e as pessoas conseguem cumprir com o compromisso de pagar as parcelas e crescer na sua propriedade”, explica.

O delegado federal adiantou que já no início do próximo ano a DFDA-MS fará mais uma grande entrega para outra fazenda em finalização do processo de aquisição de terra no município de Ribas do Rio Pardo. “São 58 famílias lá. Isso mostra como vamos continuar avançando. Eu fico muito feliz com esse trabalho”.

Sobre o PNCF

Os potenciais beneficiários para participar devem ser trabalhadores rurais, ter renda familiar anual variando entre R$ 9mil até R$ 30 mil e patrimônio entre R$15 mil e R$ 60 mil, dependendo da linha acessada. Devem ainda comprovar mais de 5 anos de experiência rural nos últimos 15 anos.

O valor máximo do empréstimo é de R$ 80 mil com juros de até 2% ao ano. O pagamento é efetuado em até 20 anos, incluídos três de carência. O programa disponibiliza ainda recursos de R$ 7.500 exclusivo para a contratação de Assistência Técnica e Extensão Rural por 5 anos.

Os interessados devem procurar uma propriedade cujo dono tenha interesse em vender pelo valor compatível com o de mercado. Após a escolha da terra, é hora de elaborar a proposta de financiamento com a ajuda de uma entidade de Ater credenciada, com toda a documentação exigida. Para ter mais informações na sua região, procure a delegacia do seu estado.

Comentários