Falta de pediatras nos postos de saúde da Capital deixa pais desesperados

Há duas semanas o posto de saúde do Nova Bahia está sem pediatra, mesmo acontece nos postos dos bairros Cophavilla e Aero Rancho

A equipe de reportagem do Página Brazil recebeu, na manhã desta sexta-feira (14), a denúncia de que uma criança de aproximadamente um ano e meio teria dado entrada no CRS (Centro Regional de Saúde) do Nova Bahia tendo convulsão, mas não teria sido atendida por falta de médico pediatra.

Segundo o gerente da unidade, identificado apenas como Magno, a criança foi atendida pela equipe de emergência, medicada e permanece em observação. Questionado sobre a quantidade de médicos que estariam realizando atendimento no local, o número não foi informado..

População denúncia falta de médicos pediatras no posto Nova Bahia. Foto: Kerolyn Araújo
População denúncia falta de médicos pediatras no posto Nova Bahia. Foto: Kerolyn Araújo

Um funcionário do posto que não quis se identificar, contou que há aproximadamente duas semanas a unidade está sem médico pediatra em nenhum turno, “Tiraram os médicos daqui e dos postos dos bairros Cophavilla e Aero Rancho”, relatou. Ainda segundo ele, há boatos de que a unidade possa ser fechada por falta de verba, mas até o momento nenhuma notificação formal foi feita por parte da Secretaria de Saúde do Município.

Falta de médicos causa transtorno

No local, uma mãe aguardava carona para levar o filho para a o CRS (Centro Regional de Saúde) do bairro Coronel Antonino.

Segundo Iracinize Alves Ramos, de 35 anos, o filho de seis anos caiu na escola, machucou a testa e foi encaminhado ao posto do Nova Bahia. No local, os enfermeiros apenas cobriram o corte e informaram que ela teria que procurar outra unidade de atendimento.

“Eu estou revoltada porque meu filho é uma criança, está com um corte na testa e nem os pontos eles podem dar aqui. Até pra isso temos que procurar o outro posto. E se fosse algo mais grave? Meu filho iria morrer sem atendimento?” questionou. Ainda de acordo com a mãe, a equipe de enfermagem só avisou que não havia médico pediatra depois de quase uma hora de espera”, revelou ao Página Brazil

A situação obriga muitas pessoas a procurarem atendimento na rede particular de saúde. A doméstica Beth Ferreira, diz que pagou consulta para duas crianças e a situação em casa ficou apertada pois ainda tem as contas de água e luz para pagar.

Já quem não tem condições de pagar como é o caso da vendedora autonoma Kátia de Carvalho, mãe de uma criança de 6 anos que tem problemas cardíacos, o jeito é esperar e se indignar com a situação. ” Não tem pra onde correr mais e para pagar eu não tenho dinheiro”, diz ela.

 

Comentários

comentários