Fabricante faz recall de berço dobrável que pode provocar asfixia no bebê

Depois de ter o registro do produto suspenso pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), a empresa Burigotto divulgou hoje (29) o recall de 252 mil berços dobráveis, modelo Nanna, devido ao “risco de provocar asfixia e/ou aprisionamento dos membros” do bebê. A empresa orienta os consumidores a não usarem o berço enquanto o problema não for corrigido.

Inmetro proíbe venda do berço Nanna da Burigotto por risco de asfixia (Foto: Divulgação)
Inmetro proíbe venda do berço Nanna da Burigotto por risco de asfixia (Foto: Divulgação)

O recall (do inglês “chamar de volta”), traduzido para o português como chamamento ou recolha de produto, é uma solicitação de devolução de um lote ou de uma linha inteira de produtos, feita pelo fabricante, em decorrência da descoberta de problemas relativos à segurança do produto. No caso do berço em questão, o risco quanto à segurança só foi detectado sete anos depois de iníciada a comercialização.

Os berços em questão têm o número de referência IXBE5029, fabricados entre juho de 2008 e abril de 2015. A partir do dia 13 de julho a Burigotto atenderá os consumidores, que deverão entrar em contato com a empresa pelo telefone 0800 7702298 ou pelo site www.burigotto.com.br para receber um “cesto complementar”, para uso dentro do berço, de modo a eliminar os riscos e adequar o produto às normas do Inmetro. Além disso, a empresa diz que vai fornecer novo manual de instruções contendo todas as orientações de uso.

Segundo o Inmetro, o problema foi percebido depois da morte de um bebê que estava usando o berço, no começo do ano. Depois de testes, o Inmetro constatou que em uso normal o produto apresenta risco de asfixia em espaçamento indevido entre as laterais e extremidades dos berços e os colchões. O instituto suspendeu o registro do modelo Nanna, determinou a retirada do produto do mercado e publicou a Portaria n° 243/Presi, aumentando o rigor da regulamentação para esse tipo de berço.

AGÊNCIA BRASIL

Comentários

comentários