Exposição em São Paulo discute identidade de gênero e orientação sexual

1ª Mostra Diversa – Expressões de Gêneros, Identidades e Orientações (Foto: Divulgação Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo)
1ª Mostra Diversa – Expressões de Gêneros, Identidades e Orientações (Foto: Divulgação Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo)

As questões de gênero e a luta contra o preconceito são os temas de uma mostra que teve início na sexta-feira (17) no Museu da Diversidade, na Estação República de Metrô, em São Paulo. A 1ª Mostra Diversa – Expressões de Gêneros, Identidades e Orientações fica em cartaz até 29 de novembro. Depois, a mostra deve seguir em itinerância por diversos municípios de São Paulo.

“A mostra é um panorama do que está sendo feito em termos de fotografia, desenho e aquarelas em relação à questão de gênero, identidade de gênero e a orientação do afeto”, disse Franco Reinaudo, diretor do Museu da Diversidade, em entrevista.  “Queremos que as pessoas entrem em contato com esses temas e tirem suas próprias conclusões. Vivemos um momento de posições fortes e a ideia é que falemos sobre isso de uma maneira suave e bonita, aproximando as pessoas”, ressaltou.

A exposição apresenta nove projetos contemporâneos de artistas brasileiros, que abordam vivências ou aprofundam os temas relacionados à identidade de gênero e à orientação sexual. Um destes nove projetos, destacou Reinaudo, éUm Olhar de Marte, trabalho fotográfico que acompanha um casal homossexual em seu cotidiano. “É uma sequência fotográfica em branco e preto que mostra essa rotina”, disse o diretor do museu.

Mas há também trabalhos que questionam os conceitos de masculino e feminino, como o projeto Doces Barbas, que exibe fotos de homens barbados com maquiagens femininas. E o trabalho Menino de Salto Alto, que pretende exigir o respeito e a tolerância na sociedade. “Ele [o artista] se veste com roupas femininas e salto alto e sai pelas ruas para registrar a reação das pessoas”, afirmou Reinaudo.

Dentro da mesma temática, Geni – Um Ensaio Fotográfico com Corpos Transitados apresenta um calendário de modelos trans resgatando a clássicapin-up. “São fotos de travestis e transexuais vestidas de pin-up para também trabalhar essa questão do preconceito e de como vemos as pessoas”.

O trabalho Coletânea Amar oferece quatro livros voltados para crianças de 4 a 7 anos, com aquarelas, com o objetivo de celebrar a tolerância e as descobertas do universo da diversidade sexual. “São livros infantis para tratar dessa questão da diversidade sexual”, disse o diretor.

Projeto Doces Barbas, que exibe fotos de homens barbados com maquiagens femininas. (Foto: Divulgação Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo)
Projeto Doces Barbas, que exibe fotos de homens barbados com maquiagens femininas. (Foto: Divulgação Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo)

Os demais projetos são Genders Brasil, um ensaio fotográfico sobre a expressão de gênero, A Esquina de Monalisa, com obras em nanquim sobre madeira feitas a partir de etnografias e entrevistas com travestis, Lampioa, poesias e palavras rimadas gravadas no formato de fanzine, e Mais Amor para Todos, que retrata histórias de amor na luta pela diversidade. A mostra é gratuita.

Comentários

comentários