Ex-secretário de Fazenda deixa presídio após cinco dias preso

O ex-secretário-ajunto de Estado de Fazenda, André Luiz Cance, alvo da Operação Lama Asfáltica, deixou por volta das 15h10 desta terça-feira (16) o Centro de Triagem Anísio Teixeira .

x-secretário-adjunto de Fazenda de MS André Cance é solto seis dias após ser preso na operação Máquinas de Lama (Foto: Sérgio Saturnino/TV Morena)

Ele foi preso por policiais federais na quinta-feira (11), passou dois dias na carceragem da Polícia Federal na Capital e foi transferido para a cela 17 do Centro de Triagem, que já recebeu outros presos “famosos” por ser a única do Complexo Penal preparada para abrigar pessoas com curso superior.

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região concedeu liminar hoje ao pedido de habeas corpus feito pelo advogado de defesa José Wanderley Bezerra Alves.

De acordo com a investigação, André Cance, distribuía o dinheiro da propina para o PMDB e para o grupo envolvido no esquema.

As empresas economizavam, porque, mesmo com a propina, pagavam um valor menor do que o que pagariam de impostos ao estado.

Além de Cance, também estão presos o empresário Mirched Jafar Júnior, dono da gráfica Alvorada. A empresa teria fornecido 100 mil livros de literatura infantil sem licitação à Secretaria do Estado de Educação (SED) por R$ 11 milhões.

As negociações teriam sido feitas ex-servidor da SED, na gestão de Pulccinelli, Jodascil da Silva Lopes, que se apresentou cinco dias depois da operação e também está preso. O esquema, segundo a investigação, era para lavagem de dinheiro.

O ex-servidor também teria arrecadado propina paga pela Concessionária Águas Guariroba, que comprou milhares de cópias de livros do André Puccinelli Júnior, filho do ex-governador. Foram três mil livros que custaram R$ 300 mil. O material foi repassado para outro investigado.

Comentários