Ex-agentes são denunciados pelo MPF sob acusação de plano de fuga em MS

O MPF/MS (Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul) denunciou dois ex-agentes penitenciários federais por corrupção passiva, crime que prevê pena de dois a 12 anos de prisão. O MPF pede ainda o aumento da pena em 1/3 pela “infração ao dever funcional”.

Penitenciária Federal em Campo Gande (Foto: Divulgação )
Penitenciária Federal em Campo Gande (Foto: Divulgação )

Eles são acusados de receber vantagens ilegais, entre 2009 e 2013, de detentos da Penitenciária Federal de Campo Grande, entre eles Luiz Fernando da Costa (Fernandinho Beira-Mar) e Alexander de Jesus Carlos (Choque), vinculados às organizações criminosas Liga da Justiça e Comando Vermelho.

Os dois agentes, identificados como Humberto C. e Gustavo J. foram demitidos após investigação interna da Penitenciária, respectivamente, em 2 de janeiro de 2013 e 17 de dezembro de 2014.

Conforme o MPF, os contatos indevidos de Gustavo com detentos foram comprovados a partir dos oito PAD (Procedimentos Administrativos Disciplinares) instaurados, que foram aceitos pelo ministro da Justiça, sendo um para cada conduta indevida praticada por ele.

Entre os registros dos PADs estão a conversa e a entrega irregular de objetos a Marcinho VP (líder do Comando Vermelho), bem como conversas indevidas com Leandrinho Quebra-ossos (membro da milícia Liga da Justiça) e outros detentos, e também a desconexão dos cabos de rede dos equipamentos para transmissão e armazenamento das imagens das câmeras de monitoramento da vivência Charlie, uma das quatro grandes áreas de celas individuais da Penitenciária.

No mesmo contexto, conforme o MPF, Humberto manteve contato indevido com Beira-Mar, enquanto o conduzia entre os setores de isolamento e de saúde da PFCG.

O Setor de Inteligência da PFCG levantou informações de que os presos estariam desenvolvendo planos para evasão em massa de detentos vinculados à facção Comando Vermelho, e, para isso, contariam com a colaboração de agentes penitenciários, que forneceriam informações acerca dos procedimentos de segurança e eventuais vulnerabilidades da Penitenciária Federal de Campo Grande, além de oferecer recursos necessários para a fuga.

Beira-Mar admitiu a existência do plano de fuga e afirmou que o pagamento de agentes penitenciários que aceitassem prestar favores a membros da facção Comando Vermelho custodiados naquela unidade prisional se daria por intermédio de advogados.

Extratos bancários obtidos pela investigação indicam movimentações financeiras incompatíveis com as remunerações dos agentes. Em apenas uma das dez contas bancárias mantidas pelos acusados, descobriu-se depósito, em maio e junho de 2013, de R$ 52.863,92 sem indicação de origem.

O processo corre em segredo na 5ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande.

Comentários

comentários