Estatuto do Palmeiras será votado pelo Conselho; grupos se manifestam

Gazeta Esportiva.com

Mauricio Galiotte e Leila Pereira se apoiam (Foto: Fernando Dantas/GazetaPress)

O Palmeiras não entra em campo esta noite, mas haverá torcida e apreensão entre os palestrinos. O Conselho Deliberativo (CD) do clube se reúne nesta segunda-feira, na sede social, para votar mudanças no estatuto, sendo a principal delas a alteração do tempo de mandato presidencial, que beneficiaria Leila Pereira. O grupo “Diretas Já SEP” se manifesta contra o caso (confira ao final do texto) e pede isenção a Sepaphim Del Grande, responsável por conduzir a votação.

Os movimentos buscam barrar o que ficou conhecido no clube como “emenda Leila”. A votação será nesta noite, em reunião no Conselho Deliberativo do Verdão e, se o grupo encabeçado pela empresária e o presidente Maurício Galiotte conseguir a aprovação, a dona da Crefisa e FAM poderá antecipar sua candidatura à presidência para 2021, e não mais 2022, como no modelo atual.

Eleita conselheira do Palmeiras em 2017, Leila precisa obrigatoriamente estar no mínimo no segundo mandato de quatro anos na função para concorrer ao comando do clube. Isso pode ser cumprido em fevereiro de 2021, data do novo pleito para o Conselho, e nove meses antes disputa presidencial.

A mudança estatutária avançará se no mínimo 143 dos 284 conselheiros (50% mais um voto) aceitarem a proposta, que pode ser votada independentemente do número de presentes. O passo seguinte para uma possível implementação seria a apreciação do assunto pelos sócios do clube.

Opositores entendem que tal mudança, se aprovada no Conselho e ratificada em Assembleia de Sócios, deveria fazer parte da próxima disputa presidencial no Verdão, desta forma mantendo o mandato em dois anos do candidato eleito no fim do ano.

Ainda não há chapas anunciadas para a disputa presidencial deste ano. A tendência é que Maurício Galiotte tente a reeleição contra Genaro Marino, seu atual primeiro vice. Os grupos precisam da aprovação do filtro do Conselho Deliberativo para concorrerem na eleição entre os associados.

Além da alteração no tempo de mantado, a outra principal pauta a ser votada esta noite é a diminuição no número de conselheiros. O número máximo permitido atualmente é de 300 cadeiras, sendo 148 para vitalícios e 152 por votos.

As duas propostas votadas esta noite pedem a diminuição para 100 vitalícios. No caso dos conselheiros escolhidos por votos, uma sugere aumento para 200, e outra a manutenção dos 152.

Na última quinta-feira, a Gazeta Esportiva esteve presente em um requintado jantar em um hotel nos Jardns, em São Paulo, organizado por Leila Pereira para abordar a reforma estatutária do Palmeiras com conselheiros e imprensa. Na reunião, a empresária negou qualquer influência política para antecipar sua candidatura.

Movimento DiretasJaSEP pede isenção de Seraphim Del Grande na condução da votação da noite de hoje

Na noite de hoje o Conselho do Palmeiras se reunirá para discutir algumas importantes mudanças estatutárias: a redução do número de vitalícios no Conselho do Palmeiras (proposta que historicamente sempre apoiamos) e a mudança do tempo de duração do mandato presidencial: de dois anos com uma reeleição (2+2) para três anos com uma reeleição (3+3).

A extensão do mandato presidencial está sendo impulsionada de maneira preocupante e questionável por grupos que serão diretamente beneficiados com a alteração, incluindo a gestão atual.

Por esse motivo, já nos manifestamos contra a proposta. Entendemos que uma mudança feita para agradar uma maioria de ocasião pode abrir um sério precedente e trazer danos permanentes à instituição.

Notícias dão conta, entretanto, que uma proposta intermediária foi apresentada ao Conselho sugerindo que a mudança para 3 anos tenha vigência apenas em 2020. Dessa forma, a mudança não estenderia o próximo mandato para 3 anos, evitando assim a guerra política que temos assistido nos últimos dias.

Entendemos que esta proposta é a que melhor concilia os dois lados em discussão, que promove os avanços desejados pela maioria e pode pacificar os diversos grupos, afastando os problemas apontados por inúmeros conselheiros e associados.

Por esse motivo, uma grande responsabilidade estará nas mãos do Presidente de nosso conselho, Seraphim Del Grande. A responsabilidade de liderar um conselho dividido e de conduzir a reunião desta noite de maneira isenta, ouvindo a todos, dando a oportunidade para que todos se expressem e que todos os lados dessa questão sejam ouvidos, debatidos e verdadeiramente iluminados. Acima de tudo, caberá a Del Grande assegurar que todas as propostas e alternativas, incluindo aquelas que não atendem seus interesses políticos imediatos (e aqueles de seus aliados), sejam ouvidas e apreciadas.

Nas alamedas da Sociedade Esportiva Palmeiras, entretanto, circulam boatos de que Del Grande pretende valer-se de artimanhas regimentais para conduzir a reunião e seu resultado na direção dos seus interesses. Lamentamos profundamente que esta possibilidade seja sequer considerada. Se isso se confirmar, o presidente de nosso Conselho Deliberativo escreverá uma triste página em nossa história, e será responsável direto pelas consequências imprevisíveis que sua conduta pode trazer para nosso futuro.

Pedimos, portanto, que Del Grande coloque-se acima dos interesses políticos de momento. Que demonstre serenidade e a grandiosidade que o cargo demanda e que lhe foi confiado, sem ceder a interesses pontuais. Que atue como um verdadeiro estadista. Qualquer coisa diferente disso, não estará a altura da Sociedade Esportiva Palmeiras e das responsabilidades que o cargo que Del Grande ocupa exigem.

Por estes motivos, defendemos mais uma vez o respeito às regras do jogo e a pacificação política. Defendemos que a proposta de 3 anos seja derrotada e que, caso saia vencedora, tenha sua validade confirmada apenas para a eleição presidencial de 2020, nos termos de proposta já apresentada ao conselho.

Pedimos hombridade e grandeza ao presidente de nosso Conselho, que pode entrar para a história do Palmeiras como um grande homem, ou como um líder que não soube colocar os interesses da instituição acima de interesses políticos pontuais.

Somos a favor da redução do número de vitalícios – #MenosVitalíciosSim

Somos contra as mudanças nas regras eleitorais que afetam o tempo de mandato presidencial imediatamente. – Somos #3anosSEP2020

Somos a favor da democratização e do respeito ao nosso Estatuto.

Somos #DiretasJáSEP Somos #MenosVitalíciosSim Somos #3anosSEP2020

Comentários