Estado potencializa formação superior e cursos da UEMS aumentam em 367%

Foto Divulgação.
Foto Divulgação.

Quando começou a funcionar em 1994, a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul contava com 18 cursos de graduação e um total de 834 estudante distribuídos em 15 unidades universitárias. Um projeto educacional ousado que Mato Grosso do Sul apresentava, com o objetivo de interiorizar a educação superior, até então restrita às maiores cidades do Estado.

Passados 21 anos, a UEMS tem hoje com 66 cursos de graduação com cerca de oito mil alunos matriculados. Se somados alunos de pós-graduações, Ead e segundas licenciaturas, o número de estudantes chega a aproximadamente 10 mil. “Esse aumento expressivo revela um investimento significativo que o Estado fez ao longo desses 21 anos na qualificação da população sul-mato-grossense a partir da educação superior”, avalia o reitor, Fábio Edir dos Santos Costa.

Criada pelo então governador Pedro Pedrossian, a UEMS nasceu com objetivo de reduzir as diferenças do saber e as desigualdades sociais e, principalmente, a mudar o cenário da qualidade da Educação Básica do Estado, estabelecendo inicialmente a missão de gerar e disseminar o conhecimento, voltada para a interiorização, e com compromisso em relação aos outros níveis de ensino. “Nós procuramos os alunos onde eles estão, onde eles são necessários, onde o bom senso se determina como agir, mas também nos submetendo a pressão da própria sociedade, porque a própria sociedade também sabe o que quer”, disse Pedro Pedrossian, em entrevista realizada para as comemorações dos 20 anos da UEMS.

Com esta meta, a Universidade tinha em 1994 apenas 18 cursos, sendo maioria licenciatura, em quinze cidades de MS: Letras – Port./Espanhol (Amambai), Zootecnia (Aquidauana), Matemática (Cassilândia), Letras – Port./Inglês (Cassilândia), Biologia (Coxim), Ciência da Computação (Dourados), Enfermagem (Dourados), Matemática (Glória de Dourados), Pedagogia (Ivinhema), Biologia (Jardim), Administração (Maracaju), Matemática (Maracaju),  Biologia (Mundo Novo), Matemática (Naviraí), Letras – Port./Inglês (Nova Andradina), Direito (Paranaíba), Administração (Ponta Porã) e Direito (Três Lagoas).

Hoje a Universidade tem 29 bacharelados, 33 licenciaturas e quatro cursos tecnológicos. São 16 cursos em Dourados; dois em Amambai; três em Aquidauana; nove em Campo Grande; três em Cassilândia; quatro em Coxim; três em Glória de Dourados; dois em Ivinhema; cinco em Jardim; dois em Maracaju; dois em Mundo Novo; cinco em Naviraí; dois em Nova Andradina; quatro em Paranaíba; três em Ponta Porã; e um curso a distância.

Os mais de 11 mil profissionais formados na UEMS fizeram e fazem a diferença nos menores municípios do Estado. “O Ideb (Índice da Educação Básica) aumentou significativamente em todos os municípios do Estado onde temos profissionais formados pela UEMS. Ou seja, houve uma influência direta na melhoria da qualidade da educação proporcionada pelos nossos profissionais”, ressalta o reitor da UEMS, Fábio Edir dos Santos Costa.

UEMS

Comentários

comentários