Estado convoca hospitais privados para orientar sobre dengue, zika e chikungunya

Da Redação

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) realizou reunião nesta quinta-feira (23) com os hospitais privados de Campo Grande para orientar em relação aos casos na ocorrência de qualquer caso suspeito de dengue, zika e chikungunya no município.

O secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, destacou que é necessária a colaboração de todos para combater a doença. “Nós percebemos que os municípios estão subnotificando os casos de Dengue. Precisamos que os hospitais particulares notifiquem os casos para que possamos elaborar estratégias de ação”, disse.

Durante a reunião, a Secretaria de Estado de Saúde orientou a criação de fluxo de vigilância epidemiológica em cada hospital privado, devendo a ficha de notificação de cada paciente seguir o fluxo do hospital para a Sesau, depois SES em seguida Ministério da Saúde. Dos 29 óbitos por dengue registrados no Estado em 2019, 37,9% aconteceram em hospitais privados e dos quatro óbitos registrados em 2020, 50% foram nas unidades privadas.

A representante  da Coordenadoria Geral de Vigilância das Arboviroses, do Ministério da Saúde, Priscila Leal Leite, destacou a importância das notificações dos casos às centrais de vigilância de epidemiologia no momento que os pacientes apresentam os primeiros sintomas. “O óbito é um evento sentinela, que mostra que existem uma série de situações a serem tratadas. Como já há óbitos por dengue em Mato Grosso do Sul precisamos de informações para ter o panorama do que está acontecendo”, completou.

Estiveram presentes os representantes dos hospitais São Lucas, Cassems, Hospital da Unimed, Santa Marina, Hospital da Criança, Hospital Pênfigo, hospital do coração, Proncor e Hospital Militar. A secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande também esteve presente.

Comentários