A esperança já morreu! Inter enfrenta Fluminense para evitar rebaixamento

Seja humilde na vitória, pois o lugar mais alto do pódio também é o lugar de onde a queda é maior!

Quem diria que o Internacional, campeão do Mundial Interclubes em 2006, estaria em uma situação tão delicada dez anos depois. O clube colorado briga para não cair para a série B na última rodada do Brasileirão. Convenhamos, não é lugar dele, nunca foi. Uma mistura de má administração com jogo fraco fez com que o clube gaúcho chegasse nesta situação.

O Internacional inicia a última rodada do atual Nacional na 17ª posição e para escapar da degola não depende apenas de suas forças. Para não terminar entre os quatro piores times do torneio, o Colorado vai precisar vencer o Fluminense, fora de casa, e torcer por tropeço do Sport – que enfrenta o rebaixado Figueirense – ou pela derrota do Vitória na partida contra o campeão Palmeiras, que viaja para Salvador com um time desfigurado, na disputa com o time baiano ainda a questão do saldo de gols que é bem favorável ao Vitória.

Além disso, a história do Campeonato Brasileiro disputado por 20 clubes em pontos corridos mostra que é difícil um time começar a última jornada na zona do rebaixamento e escapar da degola. Desde 2006, em apenas três oportunidades isso aconteceu. Em 2007, com o Goiás; 2009, com o Botafogo; e no ano passado com o Figueirense.

Aqui preciso fazer uma consideração. Para fazer esse levantamento usei os resultados obtidos em campo, ou seja em 2013, considerei a classificação final, antes de Flamengo e Portuguesa perderem pontos por utilizarem jogadores em condições irregulares, o que acabou tirando o Fluminense da zona de rebaixamento – não custa lembrar que a decisão foi tomada depois da realização de todos os jogos do campeonato.

Torcida

Arquivo Pessoal (João Fusquine)

O colorado mais fanático que conheço, João Fusquine, afirma que já está conformado com a queda, mas nós sabemos que ainda há esperança nos corações do Clube do Povo resta uma esperança. “Acho que dificilmente escapa. O Inter colhe os frutos que a má administração da direção plantou durante o ano.”, diz o torcedor colorado.

A chegada de um novo técnico, o Lisca, no dia 18 de novembro, dividiu a torcida da ‘Academia do Povo’, alguns jogaram a toalha, conformados, outros deixaram acender uma nova esperança. Na época, Fusquine até estava esperançoso. “Ta dificil. Mas, se resta um suspiro de esperança, o técnico novo pode dar uma injeção a mais de vontade nos jogadores. Lisca é doido.”

Triste

Por Fusquine, por Falcão, por Clemer e por todo colorado, o futebol está cabisbaixo. Ver um time grande cair não é bom. Mas talvez seja a punição para um clube com administração ruim. Esporte e politicagem não combinam, infelizmente o Inter misturou estes ingratos ingredientes.

Conhecendo o futebol como conheço, sei que a torcida jamais abandonará o clube. O mar vermelho sempre estará lá cantando. Sempre com a camisa vermelha e a cachaça na mão, pois o gigante espera, pra começar a festa!

Futebol é alegria, sorte dos rivais. Futebol é raça, talvez ainda haja esperança. Futebol é administração, aí acho que já era.

Culpa do Vitório, o pífeo.

Comentários