Enfermeiros em greve cobram apoio de vereadores

A sessão itinerante da Câmara Municipal de Campo Grande, realizada na sede do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) na manhã desta quinta-feira (25), discute a paralisação dos enfermeiros da Capital.

Espera nas unidades de saúde supera cinco horas  Foto Silvio Ferreira
Espera nas unidades de saúde supera cinco horas
Foto Silvio Ferreira

Durante os pronunciamentos, o vereador Herculano Borges (SD) destacou a dificuldade de tratar a questão, já que o movimento dos profissionais não está sendo coordenado por nenhum sindicato da categoria, nem pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Grande (Sisem) que informou que “não representa os enfermeiros em greve”.

Os profissionais se concentram em frente à sede da CAU, na esquina da avenida Afonso Pena com a rua Espírito Santo, no Jardim dos Estados.

A categoria resiste a decisão judicial que impõe o retorno de 80% dos profissionais sob pena de multa diária de R$ 3 mil.

O presidente da Comissão de Negociação dos Trabalhadores da Enfermagem, Hederson Fritz, pontuou inexistência de acordo com a prefeitura e notificação judicial durante os seis dias de paralisação. Ele ressaltou que agora a pressão será por apoio dos vereadores ao movimento que cobra reajuste salarial de 8,5% e ampliação dos vencimentos nos próximos cinco anos.

Foram reduzidos em 30% o número de enfermeiros e técnicos em Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Já no Hospital da Mulher, Pronto Atendimento Integrado (PAI) e Centros de Atendimento Psicossocial (Caps) a paralisação chega a 50%, sendo elevada a 70% no caso de Centros Regionais de Saúde (CRSs). Esta é total nas Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF), não ocorrendo apenas em escalas de serviços de urgência e emergência que permanecem inalteradas.

A categoria, composta por 1 mil profissionais concursados, pretende ampliar em até cinco anos os vencimentos da enfermagem de R$ 2,1 mil para R$ 3.770 e dos técnicos de R$ 1,1 mil para R$ 2.040. Em ambos os casos a jornada é de 40 horas semanais.

Silvio Ferreira

Comentários

comentários