Empresas dizem que prisão de Eike não afeta negócios

As empresas Óleo e Gás Participações (OGPar), OGX, MMX, CCX e OSX informaram em comunicados que seus negócios não são afetados pela prisão do empresário Eike Batista, que aconteceu assim que ele chegou ao Rio de Janeiro nesta segunda-feira (30).

Avião que trouxe Eike Batista pousa no Rio (Foto: Reprodução / TV Globo)

Eike embarcou na noite de domingo em Nova York para o Brasil e chega na manhã desta segunda-feira (30) ao Rio de Janeiro para se apresentar à Polícia Federal, disse à Reuters o advogado do empresário, que é considerado foragido desde a semana passada.

A MMX disse que um novo bloqueio de bens de Eike, anunciado na última semana pela Justiça do Rio de Janeiro, “não está vinculado à companhia” e nem recai sobre os bens da empresa de qualquer maneira.

A OGX ressaltou que Eike não possui mais ações de emissão da companhia e nem exerce nela qualquer função de diretoria ou no conselho de administração.

“A ordem de prisão do Sr. Eike Fuhrken Batista noticiada pelos veículos de mídia não produz efeitos nos negócios da companhia, ou mesmo na continuidade do cumprimento dos compromissos assumidos junto a seus credores”, afirmou a OGX.

Já a OGPar também disse que Eike não possuía cargos de administração na empresa e ressaltou que existe um acordo que prevê transferência de participação relevante do empresário na companhia para a 9 West Finance “sob determinadas condições”, o que aponta para uma possível redução da fatia dele na empresa.

“A ordem de prisão do Sr. Eike… não produz efeitos nos negócios da companhia, ou mesmo na continuidade do cumprimento de seu Plano de Recuperação Judicial”, concluiu a OGPar.

Com Informações da Reuters

Comentários