Empresa inicia trabalho de profissionalização no Santos

Gazeta Esportiva.com

Empresa começa Raio-X do Santos (Pedro Azevedo/SFC)

A Ernst & Young iniciou o trabalho de profissionalização no Santos nesta quarta-feira. Funcionários da empresa fizeram entrevistas com alguns funcionários, como os executivos Marcelo Frazão (comunicação/marketing), Ricardo Feijoo (administrativo/financeiro) e Rodrigo Gama Monteiro (jurídico).

O processo de apuração continuará nos próximos dias para que a firma conheça os setores administrativos do Peixe antes de começar de vez a passar o “pente fino”. A atuação dos especialistas foi aprovada por unanimidade no Comitê de Gestão em setembro.

A EY é uma das quatro maiores empresas de serviços profissionais do mundo. A firma tem sede em Londres, está presente em 150 países, com mais de 700 escritórios e 200 mil funcionários. O objetivo é que os administradores façam um raio-x do Santos.

A EY avaliará todos os departamentos e definirá um planejamento estratégico, com organograma, orçamento, sugestões de cortes e admissões, aumento de receitas, reforma estatutária, adequação às normas do Profut… A preparação será válida para pelo menos os próximos 10 anos.

A empresa fará diversas sugestões e caberá à diretoria colocá-las em prática. O escopo é basicamente o mesmo que foi executado no Flamengo e Grêmio.

“A EY é uma empresa que é uma das big four. Criaram um braço há três ou quatro anos só de esportes. Fazem contrato com o clube, no clube levantam situação, temos que passar pela profissionalização. Fazem orçamento, planejamento estratégico, organograma. Facilita o lado profissional. Há o exemplo do Flamengo, fizeram grande trabalho. É um dos clubes mais organizados do Brasil. Atlético-PR, Grêmio… Intenção é fazer com que clube seja profissional e que contratações não sejam mais políticas, mas sim por meio do RH. Quando chegar nesse ponto, não teremos divergência política. Ficará estritamente profissional o assunto”, explicou o presidente José Carlos Peres.

Citados pelo presidente, Flamengo e Grêmio têm CEO e diretorias executivas (nos cariocas, 7, nos gaúchos, 5). No Santos, as decisões ficam por meio do Comitê de Gestão -, hoje formado pelo presidente, o vice Orlando Rollo e sete gestores –, além dos executivos Marcelo Frazão, Ricardo Feijoo, Rodrigo Monteiro e Renato, novo diretor que passa a responder pelo departamento de futebol.

Comentários