Empresa com sede em MS é alvo de operação da Polícia Federal

Deflagrada hoje pela manhã em oito estados mais o Distrito Federal, a Operação Greenfield da Polícia Federal tem como um dos alvos a empresa Eldorado Brasil, que possui sede em Três Lagoas. As informações são jo jornal Folha de São Paulo.

Fábrica da Eldorado instalada em Três Lagoas - Foto: Anderson Viegas/G1MS
Fábrica da Eldorado instalada em Três Lagoas – Foto: Anderson Viegas/G1MS

Na ação, que mirou também outras empresas, a Justiça bloqueou bens e ativos de pessoas físicas e jurídicas investigadas no valor de aproximadamente R$ 8 bilhões. Os investigados podem responder por gestão temerária ou fraudulenta, além de outros crimes contra o sistema financeiro.

Foram expedidos 106 mandados de busca e apreensão, 34 de condução coercitiva e sete de prisão temporária.

Os alvos são Funcef (fundo de pensão de funcionários da Caixa Federal), Petros (trabalhadores da Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios), além da sede da Eldorado Brasil –empresa do grupo J&F– em São Paulo. Os Funcef e Petros estão entre os controladores da Eldorado Celulose.

Ao todo, a operação envolveu 38 pessoas jurídicas e 74 de pessoas físicas. Entre as empresas investigadas estão Santander, Brookfied, WTorre, a vice-presidência de fundos de ativos da Caixa, Deloitte, GruPar (aeroporto de Guarulhos), Sete Brasil, Rio Bravo, Engevix, IBG Eletrônica (nova Gradiente), HAG Participações (holding da Gradiente) e Invepar.

Outros alvos são a BRAM (Bradesco Asset management) e a BEM DTVM (distribuidora de títulos e valores mobiliários), também do Bradesco, além da massa falida do BVA, LD Consultoria, R.S. Consultoria e Lakeshore.

Segundo a investigação, a ação é baseada em análise de déficits bilionários dos fundos de pensão. Ainda de acordo com a PF, em 8 de 10 casos analisados foram realizados investimentos de forma temerária ou fraudulenta pelos fundos de pensão, por meio dos FIPs (Fundos de Investimentos em Participações).

O nome da operação, Greenfield, remete a investimentos que envolvem projetos incipientes, ainda no papel, como se diz no jargão dos negócios.

A Eldorado disse, por meio de assessoria de imprensa ao portal do jornal Correio do Estado, que não se manifestaria até ter as informações sobre a operação. Também por meio de assessoria, a WTorre informou que “a companhia não teve e não tem nenhuma relação direta com nenhum dos fundos de pensão citados na Operação Greenfield”.

Comentários

comentários