Emocionante, Santos bate o Palmeiras nos pênaltis e é campeão Paulista

Peixe faz 2 a 0, leva o gol e nos pênaltis a estrela de Vladimir brilha, fazendo o alvinegro conquistar o sexto estadual em dez anos

O nervosismo e a angústia eram tamanhos que o canto de “é campeão” saiu embargado, em meio a lágrimas de alegria e tensão. Mas pode gritar, torcedor alvinegro, o Santos é o novo (velho) campeão. É o time da virada! Da virada não só na sofrida decisão, mas também no ano. Aquela equipe apontada como a quarta força de São Paulo e com jogadores desacreditados por muitos no início de 2015 é novamente a melhor do estado. Após vencer por 2 a 1 no tempo normal e levar a disputa por pênaltis por 4 a 2, o Peixe levantou a taça estadual pela 21º vez, a sexta nos últimos dez anos!

Foto globoesporte.com
Foto globoesporte.com

O Palmeiras é grande, sim, como gritou Zé Roberto no primeiro jogo do Verdão na temporada. Mesmo após levar 2 a 0 na etapa inicial, o time buscou um gol no segundo tempo, resistiu à pressão nos minutos finais com um homem a menos, mas não conseguiu repetir a façanha obtida na semifinal, contra o Corinthians, quando ganhou nas penalidades.

Mas o Santos também é grande, Zé. É enorme. A ponto de perder líderes no começo do ano e se reerguer, mudar técnico e seguir firme, não ter dinheiro, mas ter camisa.

Gigantes também foi David Braz, monstro na defesa e autor do primeiro gol. Foi Robinho, referência moral e técnica. Foi Ricardo Oliveira, artilheiro, craque do campeonato e autor do segundo gol. Foi Vladimir, que superou as críticas e a descrença sobre si para ser um dos heróis da final.

Na lotada e linda Vila Belmiro, os papéis da primeira final se inverteram nos 45 minutos iniciais. Já era esperado que, precisando reverter a vantagem alviverde, o Santos marcasse mais em cima, tomasse a iniciativa e tivesse maior posse de bola. O que surpreendeu, contudo, foi a ineficiência palmeirense. Acuado no campo de defesa, o time visitante sofria para criar algo, sobretudo pela apatia de Valdívia e a falta de apoio dos laterais.

De volta ao 4-2-3-1, que se transforma em 4-3-3 com a bola, o Peixe apostou nas jogadas pelos lados e nas bolas em profundidade de Lucas Lima. Com troca de passes e ultrapassagens, os donos da casa envolveram, mas o gol viria de outra forma: pelo alto. Primeiro, uma balão de Valencia que caiu nos pés de Robinho. A defesa palestrina ficou pedindo um impedimento que não existiu enquanto o camisa 7, inteligente e altruísta, apenas escorou para David Braz empurrar para as redes. Minutos depois, quando o Palmeiras ainda acusava o golpe e não se encontrava em campo, Vladimir bateu tiro de meta, Robinho novamente clareou o lance e Ricardo Oliveira demonstrou a frieza habitual para completar para as redes.

A Vila explodiu em euforia. Com convicção, os alvinegros cantaram que o Santos é o time da virada. As polêmicas – e exageradas – expulsões de Dudu e Geuvânio acrescentaram mais um componente à nervosa decisão. Quem levaria a vantagem com um a menos? O Santos, que teria mais espaço para contra-ataques, ou o Palmeiras, que perdia um atleta que vinha apagado (ao contrário do camisa 11 rival)?

A resposta foi dada no início da etapa final. Novamente à exemplo da primeira decisão, os donos da casa puderam matar o jogo, mas não o fizeram e reviveram o abatido adversário. O Peixe sentiu fisicamente e não conseguiu agarrar a taça nas chances que criou. O Verdão mostrou a coragem que não teve no primeiro tempo e passou a atacar com mais ímpeto e eficiência.

Valdivia, até então apagado, decidiu ser mago aos 19 minutos. Com um passe mágico, o chileno encontro Lucas, que escapou pelas costas de Chiquinho, foi mal acompanhado por Ricardo Oliveira e diminuiu a vantagem.

O estádio, que até então pulsava, se calou. O nervosismo da torcida contagiou os jogadores. A bola começou a ficar mais na faixa central de campo, as chances de gol rarearam e os nervos se afloraram ainda mais.

Nem mesmo a expulsão de Victor Ramos aos 33 serviu para inflamar novamente as arquibancadas ou o Santos, que parecia ter o físico e a mente esgotados. Victor Hugo ainda faria o gol de empate, nos minutos finais, após rebote de Vladimir, mas o tento foi corretamente anulado por impedimento do zagueiro palmeirense.

Veio então a disputa por pênaltis, com precisão imensa dos alvinegros. Cleiton Xavier e David Braz fizeram. Rafael Marques bateu, e Vladimir se agigantou. Depois, Jackson mandou na trave. Era o início do fim. Gustavo Henrique, Victor Ferraz e Lucas Lima marcaram e a Vila Belmiro explodiu. Já era hora de voltar a gritar “é campeão”.

Ricardo Oliveira abriu o placar na Vila e nem precisou bater o último pênalti para comemorar o título (Foto: Ivan Storti/LANCE!Press)

FICHA TÉCNICA SANTOS 2 X 1 PALMEIRAS

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data/Hora: 3 de maio de 2015, às 16h (de Brasília)
Juiz: Guilherme Ceretta de Lima (SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Alex Ang Ribeiro (SP)
Público/Renda: 14.662 pagantes / R$ 1.555.280
Cartões amarelos: Valencia e David Braz (SAN); Valdivia, Gabriel e Lucas (PAL).
Cartões vermelhos: Geuvânio, 45’/1ºT (SAN); Dudu, 45’/1ºT e Victor Ramos, 31’/2ºT (PAL) .
GOLS: David Braz, aos 29’/1ºT (1-0); Ricardo Oliveira, aos 43’/1ºT (2-0) e Lucas, aos 19’/2ºT (2-1).

SANTOS: Vladimir; Victor Ferraz, David Braz, werley (Gustavo Henrique, 8’/2ºT) e Chiquinho; Valencia (Leandrinho, 38’/2ºT), Renato e Lucas Lima; Geuvânio, Robinho (Cicinho, 41’/2ºT) e Ricardo Oliveira. Técnico: Marcelo Fernandes.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Lucas, Victor Ramos, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel, Robinho (Cleiton Xavier, 8’/2ºT), Valdivia (Jackson, 32’/2ºT), Rafael Marques e Dudu; Leandro Pereira. Técnico: Oswaldo de Oliveira

LANCEPRESS!

Comentários

comentários