Em MS, apreensão de cocaína cresce e Polícia Federal aponta nova rota do tráfico

Da Redação

De janeiro a abril deste ano foram apreendidas 3,7 toneladas de cocaína em Mato Grosso do Sul. O volume é quase o total apreendido em 2018 (3,9 toneladas) pelas polícias Federal e Rodoviária Federal.

Compartimento onde os policiais encontraram cocaína em MS — Foto: Polícia Federal/Divulgação.

“Houve uma desarticulação no crime organizado nos países vizinhos fornecedores de drogas, isso está influenciado a logística e como eles atuam na nossa fronteira” explicou o inspetor da PRF, Tércio Baggio.

Uma das apreensões da PRF contou com ajuda de cães farejadores, foi no início deste mês em Sidrolândia. Os animais indicaram onde estavam os 106 kg de cocaína no carro dirigido por uma mulher, ela foi presa em flagrante.

A Polícia Federal diz que percebeu uma mudança na rota da cocaína. Historicamente, as apreensões sempre aconteciam na região de Corumbá, fronteira com a Bolívia. Mas esse ano, o maior volume foi apreendido foi registrado no cone sul do estado. Segundo a PF, quadrilhas se instalaram na fronteira com o Paraguai. A região vive uma guerra pelo controle do tráfico.

Na terça-feira (14) durante a operação Kratus, em Ponta Porã, a PF desarticulou uma quadrilha que atuava no tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro. Segundo as investigações, com os lucros da venda de entorpecentes, o grupo comprava veículos e imóveis para esconder a origem ilícita do dinheiro. A justiça decretou o sequestro e a indisponibilidade dos bens do grupo.
“Se você não quebrar o lastro financeiro das organizações criminosas fica um círculo vicioso e você só vai apreendendo entorpecentes, você vai só prender pessoas, mas a organização continua se mantendo e aumentando seu poderio”, explicou Cleo Mazzotti, superintendente da Polícia Federal.

Se por um lado aumentou a apreensão de cocaína no estado, caiu o volume de maconha. De janeiro a abril desse ano foram pouco mais de 8 toneladas apreendidas. No mesmo período de 2018, foram 24 toneladas.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu cometário!
Por favor, insira seu nome aqui