Em média 50 denúncias de violência contra a mulher são feitas semanalmente em Corumbá

O combate à violência doméstica é um dos desafios constantes da Polícia Civil em Corumbá, município distante 425 quilômetros de Campo Grande. Semanalmente, a Delegacia de Atendimento à Mulher (DAM) registra, em média, 50 denúncias desse tipo de crime na cidade.

“Atualmente, o grande desafio no combate à violência doméstica em Corumbá é que tem aumentado muito o número de casos. Temos uma média de 50 denúncias de violência doméstica por semana. É um número muito grande”, disse delegada titular da Delegacia de Atendimento à Mulher, Thaís Cavalcante França.

i
Mulher vítima de violência deve denunciar o caso à Polícia (Foto: Diário Corumbaense)

A delegada afirmou que o álcool em excesso gera, na maioria das vezes, casos de violência contra a mulher. “Em Corumbá, em relação a outras cidades do Estado, o número é muito grande. Se deve, principalmente, ao uso abusivo de álcool. O que acontece geralmente, nos casos de violência doméstica, é que o homem chega em casa embriagado, o casal entra em discussão e aí ele agride a mulher. Isso acontece em quase 99% dos casos”, ressaltou a titular da DAM.

A violência doméstica não se dá exclusivamente quando há agressão física contra mulher, ela pode acontecer de diversas maneiras, alertou a delegada. “Há vários tipos de violência doméstica. A que mais acontece é a vias de fato, de o homem empurrar a mulher, agarrar no pescoço dela para tentar enforcá-la. É uma agressão que não deixa lesão, é a chamada vias de fato. Tem a lesão corporal, o crime, que deixa lesões na mulher. Há também os crimes de violência psicológica como injúria, calúnia e difamação e ameaça. Ameaça é um crime muito comum em Corumbá. O casal rompe o relacionamento, o homem não aceita e ameaça a mulher ‘se você me deixar eu te mato’, é muito comum”, esclareceu a titular da DAM.

Thaís França disse que a mulher vítima de violência deve denunciar o caso à Polícia. De acordo com a delegada, existem estudos, inclusive de psicólogos, que dizem que a violência doméstica acontece como um ciclo. “O homem agride a mulher, depois tenta fazer as pazes com ela e depois volta a agredir novamente. Isso perdura por muitos anos. Quando tenta fazer as pazes, isso se chama a fase da Lua de Mel, é um ciclo vicioso”.

Ainda conforme a titular, esse ciclo só pode ser rompido se a mulher fizer a denúncia. “Tem que ir à Delegacia denunciar, está comprovado que ao longo do tempo as agressões físicas vão piorando. Na violência doméstica ela começa com um tapa, com um empurrão e a cada dia vai piorando, ficando uma agressão mais grave, o que pode levar até a um homicídio, se não for feita a denúncia”, completou.

Diário Corumbaense

Comentários