Em duelo empolgante, Adesanya vence Anderson Silva no UFC 234

Lancepress

Com o triunfo sobre o brasileiro, Adesanya chega a marca de 16 vitórias e nenhuma derrota (Foto: Getty Images/UFC)

Com a saída do campeão Robert Whittaker do UFC 234 após um problema de saúde poucas horas antes da edição, Anderson Silva e Israel Adesanya assumiram a luta principal do evento neste sábado (9). Os dois presentearam os fãs que marcaram presença na Rod Laver Arena, em Melbourne, na Austrália, e todos que estavam ao redor do mundo com uma luta no mais alto nível técnico. No fim, o nigeriano venceu por decisão unânime.

Além de Anderson, o Brasil foi representado por mais três lutadores no card e todos saíram derrotados. Na luta promovida ao co-main event de última hora, Lando Vannata finalizou Marcos Mariano com uma kimura. Já Rani Yaha perdeu para Ricky Simón por decisão unânime. Estreante, Raulian Paiva foi superado por Kai Kara-France no card preliminar.

Anderson e Adesanya fazem luta histórica

Na primeira metade do round, Anderson Silva adotou uma postura mais cadenciada, enquanto Israel Adesanya aplicou alguns low kicks. Já na segunda parte, “Spider” foi mais para cima, tentou uma blitz e foi surpreendido com um direto. O brasileiro passou a dosar e atacar de forma mais estratégica. O nigeriano teve uma agressividade maior e, por pouco, não acertou um low kick no brasileiro já na reta final do primeiro round.

Diferente do assalto inicial, Anderson voltou com uma guarda baixa e recebeu alguns golpes do nigeriano. Em uma troca incessante de base, Adesanya tentava confundir o brasileiro e ia alternando com jabs e chutes. O ex-campeão respondia as investidas e chegou a encurralar o oponente na grade. Assim como no primeiro round, o curitibano adotou uma blitz, foi para cima e aplicou alguns golpes para assustar o adversário.

Ao som de “Silva, Silva, Silva” na arena, Anderson voltou como a sua forma provocativa para entrar na cabeça do adversário. Em um momento, tentou uma joelhada voadora que não atingiu Adesanya por centímetros. O ex-campeão parou no centro do cage, pediu e recebeu alguns. No contra-ataque, colocou um golpe de encontro. Por decisão unânime, o nigeriano levou a melhor e agora tem um cartel de 16 vitórias e nenhuma derrota no MMA.

Estratégico, Vannata finaliza Mariano

O ousado Lando Vannata adotou uma postura mais estratégica para o confronto com Marcos Mariano. Após um começo de estudo em pé, o norte-americano encurtou e derrubou o brasileiro. No chão, com calma, foi trabalhando a posição, aplicando alguns golpes, passou a guarda e fechou a luta com uma kimura, ainda no primeiro round.

Simón mostra força e vence brasileiro

No primeiro round, os dois lutadores começaram em um ritmo acelerado. No entanto, Ricky Simón conseguiu conectar os melhores golpes e acertou um overhand, que levou o brasileiro ao solo. Além disso, Rani Yahya sofreu com alguns low kicks. Após seguir orientação do córner, o brasiliense passou a andar mais para frente e aplicar combinações de jab e direto. Desta forma, tirou o norte-americano da zona de conforto, mas em seu pior momento na luta, Simón descolou uma ombrada, que brecou o brasileiro.

No round final, Rani tentou um triângulo de pé, mas o norte-americano defendeu com êxito. Ao tentar atacar as pernas, o brasileiro viu Simón fazer o sproul e bloquear a investida. Mais inteiro, o ex-campeão do LFA passou a controlar o centro do cage, colocar golpes na linha de cintura e algumas joelhadas voadoras. No fim, por decisão unânime, Simón chegou a terceira vitória seguida. Já Rani teve a série de três triunfos interrompidos.

De la Rosa e Jim Crute brilham

Com uma performance impecável, Montana de la Rosa dominou Nadia Kassem, conseguiu transições no chão, cotoveladas e fechou o duelo com uma chave de braço no segundo round. A texana chegou a terceira vitória seguida na franquia. Após acertar um cruzado de direita no queixo de Sam Alvey, que sofreu um knockdown, Jim Crute achou que o confronto tinha terminado, mas o adversário se levantou. Foi então que “The Brute” acelerou o ritmo, aplicou diversos golpes e o árbitro interrompeu o confronto na abertura do card principal do UFC 234. “Smile’n” questionou com veemência o encerramento da luta e precisou ser contido pela equipe.

Raulian estreia com derrota no UFC

No primeiro minuto de luta, Kai Kara-France acertou um cruzado de direita no brasileiro, que chegou a cair, mas se levantou rapidamente. Raulian Paiva passou a ser mais agressivo na segunda metade do assalto, quando encurtou a distância, porém teve as tentativas de quedas frustradas pelo adversário. Já no round seguinte, foi o neozelandês que quis levar o combate para o chão, no entanto, o amapaense defendeu bem e tentou impor o seu ritmo, indo para cima e buscando combinações de direto e cruzado.

Já no terceiro round, Kara-France manteve a estratégia dos assaltos anteriores. Por ter uma estatura menor, o lutador se movimentava, conectavas os golpes e saia do raio de ação do brasileiro. O neozelandês seguiu conectando golpes mais limpos, mas Raulian mostrou muito coração para absorver os ataque e responder as investidas do oponente. No fim, por decisão dividida, Kara-France venceu. Já Raulian estreia com derrota no UFC.

Destaques no card preliminar

Para fechar o agitado card preliminar, Devonte Smith nocauteou Ma Dong Hyun no primeiro round e desafiou o brasileiro Francisco Massaranduba nos leves. Nos penas, Shane Young venceu Austin Arnett em uma luta animada. O duelo de três rounds agitou o público australiano e terminou com a vitória do neozelandês por decisão unânime.

Em uma luta insana no card preliminar, Kyung Ho Kang finalizou Teruto Ishihara com um mata-leão ainda no assalto inicial. Na segunda luta da noite, Jalin Turner foi implacável para nocautear Callan Potter, ainda no primeiro round. O card do UFC 234 começou com a vitória de Jonathan Martinez sobre Wuliji Buren na decisão unânime.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu cometário!
Por favor, insira seu nome aqui