Em alerta, capitais europeias reforçam segurança para Ano Novo

Paris cancelou show de fogos e elevou a presença policial na região do Arco do Triunfo – Foto Reuters

Cidades da Europa reforçaram a segurança para as celebrações de Ano Novo diante da ameaça de ataques terroristas. Em Bruxelas, capital da Bélgica, festas e shows de fogos foram cancelados em razão de um alerta de segurança.Medidas adicionais também serão tomadas em cidades como Paris, Londres, Berlim e Moscou.

No começo desta semana, a polícia da Áustria afirmou que um “serviço de segurança amigo” sugeriu que grandes capitais europeias estariam sob risco de ataque durante os feriados de fim de ano.

Alerta em Bruxelas

O primeiro-ministro da Bélgica, Charles Michel, disse que o cancelamento das festividades ocorreu diante de “informações que recebemos”.

Em 2014, 100 mil turistas estiveram na capital belga para celebrar a passagem de ano.
“Não podemos revistar a todos nessas circunstâncias”, disse o prefeito de Bruzelas, Yvan Mayeur.

Festividades públicas de Ano Novo foram canceladas em Bruxelas Foto Reuters

Nesta semana, a polícia prendeu dois suspeitos de planejar atentados durante a temporada de festas. Na ocasião, houve apreensão de material de propaganda do grupo extremista autodenominado Estado Islâmico, trajes militares e computadores.

A Bélgica está em alerta de segurança desde os ataques em Paris em 13 de novembro. Suspeita-se que vários dos participantes dos atentados tenham mantido base no país.

“Plano” em Ancara

Na quarta-feira, a polícia turca deteve dois supostos membros do EI sob acusação de planejamento de um ataque em Ancara.

Os homens entraram na Turquia pela Síria e organizavam dois atentados em áreas com multidões, informou a agência estatal de notícias Anadolu. Coletes suicidas e explosivos foram encontrados durante operações policiais.

Polícia turca em ação após ataques que deixaram cem mortos em outubro em Ancara Foto EPA

Um duplo atentado suicida em outubro deixou mais de cem mortos em Ancara. A Turquia acusou o EI, mas nenhuma organização reivindicou a autoria do ataque.

A segurança também será reforçada em Istambul. Segundo relatos da imprensa local, a polícia usará agentes disfarçados até com trajes de Natal em ações de patrulhamento.

Festa ‘sem alarde’

Em Paris, um show de fogos foi cancelado, mas a tradicional reunião na avenida Champs-Élysées ocorrerá em meio a um reforço na segurança.

As projeções no Arco do Triunfo serão mais curtas do que o normal e quatro telas gigantes serão instaladas na região para evitar grandes aglomerações.

A França reforçou a segurança na região de Champs-Élysées Foto EPA
A França reforçou a segurança na região de Champs-Élysées Foto EPA

“Decidimos comemorar o Ano Novo de uma maneira reflexiva e sem alarde”, disse a prefeita da capital francesa, Anne Hidalgo.

Os ataques de novembro na cidade deixaram 130 mortos e pelo menos um dos suspeitos ainda permanece foragido.

As Forças Armadas dos EUA afirmaram que líderes do EI no Iraque e na Síria ligados aos ataques em Paris e que planejavam mais ataques em cidades do Ocidente morreram em bombardeios no mês passado.

Praça fechada

Ações de precaução também estão sendo tomadas em cidades sem nenhum alerta específico sobre possíveis ataques.

Em Moscou, por exemplo, autoridades irão fechar completamente a praça Vermelha, onde multidões costumam se reunir para a contagem regressiva de Ano Novo.

Ponto turístico tradicional de Moscou, a praça Vermelha ficará fechada neste Réveillon Foto EPA

Mochilas e fogos de artifício serão proibidos e haverá revista de bolsas na região do portão de Brandemburgo, em Berlim, fechada desde o Natal. Cerca de um milhão de pessoas são esperadas para a celebração na cidade.

O ministro do Interior alemão, Frank Henkel, recomendou que as pessoas não tenham medo de celebrar. “Precaução é um bom conselho, medo, não”, afirmou à rede RBB.

Mais policiais

A polícia metropolitana de Londres irá colocar 3.000 agentes na cidade no Ano Novo, incluindo um contingente extra de oficiais armados.

Mais de 100 mil pessoas são esperadas para o show de fogos no rio Tâmisa, evento que passou a cobrar ingressos desde 2014 para tentar controlar o fluxo de pessoas.

“Nossos planos são puramente por precaução, e não resultado de qualquer informação específica de inteligência”, afirmou um porta-voz da corporação.

Fonte: BBC Brasil

Comentários

comentários