“É muito fácil criticar, então tragam soluções” declara Soraya Thronicke sobre reforma da Previdência

Nádia Nicolau

Cumprindo agenda em Mato Grosso do Sul, a senadora Soraya Thronicke (PSL) concedeu entrevista ao programa Tribuna Livre, na manhã desta segunda-feira (8). Na oportunidade, a senadora Soraya esclareceu polêmicas e falou sobre os projetos que estão em análise na Câmara e no Senado Federal.

“A reforma é urgente, estamos apertando o cinto daqueles que têm altos salários”, disse Soraya ressaltando que ainda há muita desinformação a respeito da proposta. De acordo com a senadora, existem políticos que conseguiram se eleger porque estiveram ao lado de Bolsonaro – ainda que não fazendo parte do mesmo partido – e que agora essas pessoas não estão mais com o presidente.

Viagens internacionais e polêmicas – As últimas viagens da senadora causaram polêmica no universo político nacional. Acompanhando o presidente Jair Bolsonaro à China e a Israel – para tratar de assuntos econômicos e parcerias comerciais – Thronicke falou “estou apanhando de forma desproporcional e isso causa estranheza. Gostaria que fizessem as contas de quantas horas eu trabalho, ou do trabalho gratuito que faço há cinco anos”. Segundo Soraya, há parlamentares que queriam estar nessas viagens, mas não puderam ir porque alguns estavam sem passaportes.

Em relação à articulação política do presidente da república, Jair Bolsonaro, junto aos senadores, ela disse que “ele está mais maleável e tem tido mais consideração”. Embora tenha pouco mandato, ela relatou que os dias no senado estão sendo intensos.

Renovação Política – No misto de novos e antigos políticos, e a consequente estrutura em que se encontrava o cenário em Brasília, Soraya enfatizou que “quando cobrarem, que não caia sobre nós toda essa conta, porque não é bem assim”, frisando que há quem esteja preocupado com o que o país precisa.

Sobre a oposição no senado, Soraya disse que tudo está “mais harmonizado”, já na Câmara, o clima é de baixaria. Segundo Soraya, o pacote Anticrime começará a tramitar dentro do Senado. A proposta do ministro da Justiça, Sérgio Moro, já recebeu cinco emendas de Thronicke.

Bandeira levantadas pelo Estado – “Tenho uma história de lutas com causas sociais e de cunho popular”, explicou Soraya ao dizer que grande parte das pessoas só foi conhece-la após sua eleição e por causa de Bolsonaro.

Demostrando preocupação com as fronteiras de MS, a segurança pública de Mato Grosso do Sul faz parte dos planos do mandato de Soraya que, inclusive, já reforçou a importância da utilização do Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras), do Exército Brasileiro.

O PSL no MS – Prestes a presidir o PSL Mulher Nacional, Soraya Thronicke lembrou que em Mato Grosso do Sul, seu partido reuniu mais de 670 mil votos e que a liderança da sigla tem somados 550 mil votos, entre candidatos eleitos e não eleitos.