Dopping da Rússia pode dar ouro em Londres para o vôlei do Brasil

A medalha de prata nos Jogos de Londres, em 2012, pode se transformar em um ouro para a seleção brasileira. Neste domingo, durante o Esporte Espetacular, da TV Globo, o repórter Marcos Uchôa revelou que sete jogadores russos que atuaram na final estavam dopados. A informação partiu de Giba, capitão da seleção naquela Olimpíada e presidente da comissão de atletas da Federação Internacional de Vôlei.

ESPN

De acordo com Giba, após a comprovação do doping dos russos, que não tiveram seus nomes revelados, o Brasil pode tentar herdar a medalha de ouro. O GloboEsporte.com entrou em contato com a assessoria da Federação Internacional de Vôlei, que afirmou não ter conhecimento ainda do caso.

– Essa segunda medalha de prata, de Londres, pode virar uma de ouro. Porque sete jogadores russos foram pegos no antidoping, está provado agora que eles jogaram dopados a final. E o Giba vai ter um papel importante agora nesse processo – disse Uchôa.

A hipótese de que jogadores russos tenham jogado a final em Londres dopados foi levantada em meio ao escândalo de doping do país. À época, em comunicado oficial, o presidente da FIVB, Ary Graça, afirmou que a entidade não iria tolerar qualquer irregularidade comprovada. Giba afirmou que vai viajar para a sede da FIVB, em Lausanne, na Suíça, para entrar com o processo para solicitar o ouro.

– Estamos lutando bastante. Essa semana mesmo vamos à Suíça, na sede da FIVB, para entrar com um processo para pedir essa medalha, o procedimento correto.

Mais tarde, em sua conta no Instagram, Giba falou mais uma vez sobre o pedido de revisão das medalhas de Londres.

– Aproveitando para explicar minha declaração no Esporte Espetacular: esta semana estou indo para a Suíça, na sede da Federação Internacional de Vôlei, para sentar com os departamentos de doping e jurídico para entender e ratificar os supostos problemas com doping dos russos em 2012 e trazer as respostas para o COB, então, analisar e dar entrada no pedido de punição e revisão das medalhas de Londres.

Durante o programa, Bernardinho evitou falar muito sobre o assunto. Mas disse que cabe à FIVB decidir.

– Eu tinha lido a respeito. Não cabe a nós decidir. Cabe ao Comitê Olímpico, à Federação decidir. Se for merecido porque houve algum tipo de irregularidade… – afirmou Bernardinho.

Com Informações do Globo Esporte

Comentários