Dólar fecha a R$ 3,198, menor cotação em quase dois meses

Desde início de novembro o dólar não fechava abaixo de R$ 3,20. (Foto: André Paixão/G1)

O Dólar fechou em queda nesta quinta-feira (5), pelo terceiro pregão, indo abaixo de 3,20 reais e no menor patamar em quase dois meses, seguindo o movimento da moeda norte-americana no exterior após a divulgação de dados mais fracos sobre emprego nos Estados Unidos aliviar os temores de que os juros na maior economia do mundo poderiam subir mais do que o esperado, destaca a agência Reuters.

A moeda norte-americana recuou 0,63%, vendida a R$ 3,198 – menor cotação de fechamento desde 8 de novembro (R$ 3,1674). Veja a cotação

O dólar não ia abaixo de R$ 3,20 desde 8 de novembro, data da eleição presidencial dos Estados Unidos.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:
Às 9h10, queda de 0,19%, a R$ 3,2120
Às 10h29, queda de 0,03%, a R$ 3,2172
Às 11h, alta de 0,13%, a R$ 3,2227
Às 12h20, queda de 0,4%, a R$ 3,2052
Às 13h19, queda de 0,23%, a R$ 3,2108
Às 14h30, queda de 0,06%, a R$ 3,2162
Às 15h09, queda de 0,46%, a R$ 3,2032
Às 16h09, queda de 0,53%, a R$ 3,2013
Às 16h49, queda de 0,65%, a R$ 3,1975


Cenário externo

“Depois de dois dias de queda, o mercado precisava de um gatilho para testar níveis mais baixos (para o dólar). Os dados de emprego dos EUA, da ADP, vieram fracos e a queda do dólar no exterior prevaleceu”, disse o operador de uma corretora internacional à Reuters.

Pela manhã, o Relatório Nacional de Emprego da ADP mostrou que os empregadores do setor privado dos Estados Unidos criaram 153 mil vagas de trabalho em dezembro, abaixo do esperado em pesquisa Reuters de abertura de 170 mil vagas.

O número acabou ofuscando o dado sobre pedidos iniciais de auxílio-desemprego nos Estados Unidos, que caíram em 28 mil, para 235 mil em números ajustados sazonalmente, na semana encerrada em 31 de dezembro. O dado ficou perto da marca de 233 mil, atingida em meados de novembro, a mais baixa desde novembro de 1973.

Com isso, o dólar recuava frente a outras moedas emergentes, como o peso chileno e se afastava ainda mais da máxima de 14 anos contra uma cesta de moedas.

O Banco Central não anunciou nenhuma intervenção no mercado de câmbio por enquanto, permanecendo de fora desde o dia 13 de dezembro.

Comentários