Dólar fecha em queda, voltando a se aproximar de R$ 3,60

Foto Ilustrativa
Foto Ilustrativa

O dólar fechou em queda ante o real nesta quarta-feira (30), voltando a se aproximar dos R$ 3,60, influenciado pela atuação do Banco Central, pelo cenário político brasileiro e por menores expectativas de aumentos de juros nos Estados Unidos.

A moeda norte-americana recuou 0,47%, a R$ 3,6209, após recuar mais de 1% e atingir R$ 3,5986 na mínima do dia.

No mês, o dólar acumula queda de 9,56%.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:
Às 9h09, alta de 0,06%, a R$ 3,6402.
Às 9h20, queda de 0,03%, a R$ 3,6368.
Às 9h39, queda de 0,15%, a R$ 3,6321.
Às 10h, queda de 0,66%, a R$ 3,6136.
Às 10h29, queda de 0,74%, a R$ 3,6108.
Às 11h, queda de 0,75%, a R$ 3,6108.
Às 11h49, queda de 0,79%, a R$ 3,609.
Às 12h19, queda de 0,8%, a R$ 3,6088.
Às 12h59, queda de 0,64%, a R$ 3,6144.
Às 13h59, queda de 0,38%, a R$ 3,624.
Às 14h39, queda de 0,61%, a R$ 3,6157.
Às 15h10, queda de 0,6%, a R$ 3,616.
Às 16h, queda de 0,36%, a R$ 3,6248.

Cenário político

“O mercado está com fome para vender dólar e hoje não faltou motivo”, disse o operador da corretora B&T Marcos Trabbold, à Reuters.

Investidores continuavam a aumentar cada vez mais as apostas no impeachment da presidente Dilma Rousseff, perspectiva que vem contribuindo para reduzir as cotações da moeda norte-americana.

As bancadas do Partido Progressista (PP) na Câmara e no Senado se reúnem nesta manhã para discutir possível rompimento com o governo, o que pode enfraquecer ainda mais as defesas do governo.

Cenário externo

A queda do dólar vinha também em sintonia com os mercados externos, onde continuavam repercutindo declarações da véspera da chair do Federal Reserve, Janet Yellen, de que o banco central norte-americano deve adotar cautela para elevar os juros.

Eventual demora do Fed para apertar de novo a política monetária beneficiaria moedas emergentes, que oferecem rendimentos financeiros elevados.

Os juros futuros nos EUA indicavam chances de 40% de o Fed elevar os juros em julho, contra 51% na segunda-feira, segundo dados da CME.

Ação do BC

A queda do dólar era influenciada também pela decisão do BC de vender apenas 2,7 mil swaps reversos, equivalentes a compra futura de dólares, da oferta de até 20 mil contratos, mesmo com a pressão de baixa sobre o dólar.

A estratégia vem confundindo alguns operadores, em meio a especulações de que poderia ter como objetivo evitar que a moeda norte-americana recue muito para proteger exportadores e, assim, as contas externas do país.

Comentários

comentários