Dólar fecha em alta, mesmo após ação do BC

Portal G1

Notas de dólar (Foto: REUTERS/Dado Ruvic)

O dólar fechou em alta nesta segunda-feira (11), após cair mais cedo em meio ao anúncio de uma oferta inesperada de US$ 2,5 bilhões em swaps cambiais pelo BC, como tentativa para controlar o câmbio.

A moeda norte-americana subiu 0,45%, a R$ 3,7242 na venda. Na máxima do dia, chegou a R$ 3,7297. Veja mais cotações

A mínima do dia (R$ 3,6732), que também é o menor patamar em duas semanas, foi atingida por volta de 12h10. A partir desse horário as compras ganharam tração, até que a moeda passou a subir.

A alta do dólar no Brasil nesta segunda desafiou o movimento no exterior. Pares do real, especialmente o peso mexicano, a lira turca e o rand sul-africano, já estavam em queda, mas aceleraram as perdas no começo da tarde, enquanto o real passou a subir frente ao dólar.

Já o principal índice de ações da bolsa brasileira (B3) fechou em queda pelo quinto dia seguido, pressionado particularmente pelas ações do bancos, e com investidores repercutindo pesquisas eleitorais. O Ibovespa caiu 0,87%, a 72.307 pontos.

Intervenção do BC

O BC conseguiu conter o dólar após anunciar nesta manhã leilão de até 50 mil novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, nesta sessão. Vendeu integralmente a oferta, de US$ 2,5 bilhões, somando neste mês US$ 13,116 bilhões em novos swaps.

O BC também realizou nesta segunda-feira leilão de até 8.800 swaps para rolagem do vencimento de julho, já somando US$ 3,080 bilhões dos US$ 8,762 bilhões que vencem em julho. Se mantiver esse volume até o final do mês, rolará integralmente o total.

Diferentemente do que vinha fazendo, o BC não anunciou no pregão anterior, quando o dólar despencou sobre o real, leilão de novos swaps cambiais para a sessão seguinte. Ele vinha ofertando diariamente até 15 mil novos contratos desde 21 de maio passado e, de 14 a 18 de maio, o BC também tinha feito oferta extra, mas de até 5 mil contratos novos.

Após a forte disparada do dólar e das taxas de juros futuros, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, disse na quinta-feira passada que o órgão ofereceria mais US$ 20 bilhões em novos swaps até o fim desta semana.

A atuação “surpresa” foi bem-vista pelos agentes: “Ele (o BC) não pode dar previsibilidade porque cria uma banda, um teto e um piso, e mercado fica esperando”, disse um gestor de derivativos de uma corretora local à Reuters.

“É uma abordagem correta. Atuar ‘discricionariamente’ traz alguma incerteza ao mercado, evitando especulações”, emendou o diretor de Tesouraria de um banco estrangeiro.

Após a forte disparada do dólar e das taxas de juros futuros, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, disse na quinta-feira passada que o órgão ofereceria mais 20 bilhões de dólares em novos swaps até o fim desta semana.

No pregão passado, assim, vendeu integralmente o lote de até 15 mil novos swaps, e também a oferta integral de até 60 mil contratos, dentro dessa nova estratégia.

“Serão US$ 20 bilhões até sexta-feira (15), isso pode ajudar o dólar a cair um pouco mais, até R$ 3,65, R$ 3,60, no máximo. Mas o dólar só vai ficar mais fraco aqui se o Fed não trouxer surpresas”, afirmou à Reuters o diretor da consultoria de valores mobiliários Wagner Investimentos, José Faria Júnior.

Ele lembra que haverá nesta semana reunião do Federal Reserve, banco central norte-americano, em meio a expectativas no mercado de que a autoridade monetária possa elevar mais do que o esperado os juros na maior economia do mundo.

Cenários externo e interno

Por ora, as apostas ainda são majoritárias para que o Fed faça três altas de juros neste ano, a segunda esperada para esta semana, mas indicadores recentes podem indicar uma possível aceleração da elevação das taxas, segundo a Reuters.

Juros mais elevados nos Estados Unidos tendem a atrair para o país recursos até então aplicados em outras praças, como o Brasil.

No exterior, o dólar operava praticamente estável ante a cesta de moedas, mas subia ante as divisas de países emergentes, como os pesos mexicano e chileno.

“O clima não é favorável para o dólar cair”, acrescentou Faria Júnior.

A cena política também continuava no radar dos mercados nesta sessão, com os investidores repercutindo o resultado da pesquisa eleitoral do Instituto Datafolha divulgada no domingo.

Comentários

comentários