Dois mil demitidos da Omep e Seleta protestam contra demissões

Um protesto contra encerramento de convênios da Seleta e Omep reúne dois mil demitidos em frente à Prefeitura de Campo Grande nesta segunda-feira (19).

Faixa no sentido bairro-Centro da avenida Afonso Pena está bloqueada. Isso depois de decisão do juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais de Campo Grande, David de Oliveira Gomes Filho, extinguir na quinta-feira contratos entre a prefeitura e entidades, também investigadas por corrupção pelo MPE (Ministério Público Estadual).

Grupo requer pagamento de direitos trabalhistas após decisão da Justiça

O grupo partiu da Praça Ary Coelho, por volta das 8h, com cartazes, faixas e gritando que não são fantasmas. Em frente a prefeitura, foram recebidos por Alcides Bernal (PP) que ainda promete reverter decisão que impede os terceirizados de entrar em seu ambiente de trabalho, sob pena de multa de R$ 10 mil por pessoa. Para o juiz, esta é uma “briga perdida”.

Advogado do Senalba (Sindicato dos Trabalhadores em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional),  Rubylan Oliveira, ressaltou que o município tem responsabilidade no encerramento de contrato dos trabalhadores como pagamento de 13º salário, férias, multa de 40% e FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Na sexta-feira, a prefeitura informou em nota “encerramento das atividades” de todas as escolas, centros de educação infantil, de referência em Assistência Social, convivência de idosos, além de triagem e encaminhamento de migrantes.

Não há previsão para reabertura.

Comentários