DOF apreende cocaína líquida com nigeriano durante operação na fronteira

Na madrugada do último sábado (12), policiais do DOF (Departamento de Operações de Fronteira) iniciou a operação “Bravo” na região de Corumbá, visando intensificar fiscalização na BR-262, uma das principais rotas de saída da cocaína da Bolívia para o Brasil.

De acordo com informações do site Dourados News, uma mulher de 26 anos, moradora no Jardim Peri em São Paul (SP) e o Nigeriano Chidi Chosen Onawa, 41 anos, que não possui endereço fixo no Brasil, foram presos por uma das equipes acusados por tráfico de drogas na BR-262. Eles estavam em um ônibus que fazia o itinerário Corumbá/Campo Grande.

A mulher apresentou nervosismo durante a abordagem e levantou suspeita. Durante vistoria em sua bagagem, não foi encontrado nada de ilícito, porém na mala de seu acompanhante Chidi, foram encontradas duas garrafas de bebida alcoólica, que em seu interior estava acondicionado um frasco contendo cocaína liquida, totalizando 1,2 quilos da droga. O caso foi registrado como tráfico de drogas na delegacia de Polícia Federal de Corumbá.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Já no período da tarde, Pedro Rodrigo Fernandes de Almeida, 27, morador em Macapá (AP) e estudante de medicina na Bolívia, foi preso por uma das equipes do DOF, por tráfico de drogas.

O fato ocorreu durante bloqueio policial na BR-262, altura do “Buraco da Piranhas”, região de Corumbá, sendo abordado para vistoria um ônibus que fazia o itinerário Corumbá a Campo Grande e em vistoria a bagagem de Pedro, foi localizado um fundo falso em uma mala de cor marrom, contendo dois sacos de cocaína, que após pesagem totalizou 3 quilos da droga.

No domingo, Reinaldo Titerico Ventura, 42 anos, boliviano, foi preso por uma das equipes do DOF, com um veículo adulterado. O fato ocorreu durante bloqueio policial na BR 262, altura do “Buraco da Piranhas”, região de Corumbá, sendo um veículo Mitsubishi Pajero de cor preta com placas de São Paulo/SP, conduzido por Reinaldo, sendo que em vistoria foi constatado adulteração nos sinais de identificação do veículo.

Segundo Reinaldo, o veículo foi comprado em uma garagem em São Paulo/SP, pelo valor de R$ 15 mil e avaliado no mercado nacional em no mínimo R$ 25 mil. O caso foi registrado como adulteração de sinais de identificação de veículo automotor na delegacia de Corumbá/MS.

Permanece

A operação “Bravo” deve continuar nos próximos dias e o resultado até o momento é avaliado como bastante satisfatório pela direção do DOF.

 

Comentários

comentários