Relatório do STJD diz que agente de Victor Ramos adulterou e-mails e Inter pode ser excluído da Série B

Michael Franco, com informações e trechos da ESPN

Preparem os amendoins!

Uma matéria do site da ESPN traz na manhã desta quarta-feira (31), maiores infomrações do caso envolvendo Victor Ramos, que envolve adulteração de e-mails. O auditor Mauro Marcelo de Lima e Silva foi o responsável por conduzir a investigação sobre a adulteração de e-mails no caso e nesta quarta-feira, o relatório do membro do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pede a punição do Internacional, que pode até ser excluído do Campeonato Brasileiro.

De acordo com Mauro Marcelo, quem adulterou os e-mails que tratavam da transferência de Victor Ramos para o Vitória foi o empresário do jogador, Francisco Godoy.

Mas Maicondes, Resumindo, o que aconteceu?

Adulteração de e-mails. O Inter tentou um tapetão para não cair, para isso apresentou que citam envolvimento do diretor de registros de transferências da CBF, Reynaldo Buzzoni, e aí mora o problema, parece que o cara da CBF não tem nada a ver com a história.

Maicola, explica melhor

Deixo esse gráfico da ESPN fazer isso por mim

Tá vendo mano, o Buzzoni não está nessa dinâmica de e-mails.

Recapitulando novamente

O Colorado tentou reverter o rebaixamento com a possível escalação irregular do zagueiro Victor Ramos, à época no Vitória, naquele que ficou conhecido como “caso Victor Ramos”. As denúncias feitas pelo Inter mostravam o nome de Reynaldo Buzzoni, diretor de registros e transferências da CBF. Em seguida, Buzzoni questionou a validade do documento. Após inquérito realizado no Superior Tribunal de Justiça Desportiva, duas perícias foram realizadas e uma delas comprovou que os e-mails enviados pelo clube foram adulterados por Francisco Godoy, representante do jogador.

A ESPN publicou parte do relatório e o PGBR reproduz para você:

Reprodução – ESPN

E esse agente?

Ele confirmou que fez as alterações nos e-mails, mas não teve a intenção de alterar o sentido das mensagens, quis apenas facilitar o entendimento. Ainda de acordo com a ESPN, Para se defender, ele afirmou que “fez as alterações para ‘resumir as informações para facilitar o entendimento’, que jamais teve a ‘internação de alterar o contesto (sic) das coisas’, que seu ‘objetivo foi sempre regularizar a situação do atleta’ e que ‘ninguém solicitou as mudanças.

Mais relatório

O auditor do STJD reconhece que o Internacional não foi o responsável pela adulteração dos e-mails, mas culpa o clube por querer utilizar as informações falsificadas mesmo após ter sido alertado da potencial fraude. “Embora a adulteração dos correios eletrônicos tenha sido praticada por Francisco Godoy e não pelo SC Internacional, é inequívoco que o clube fez uso do material adulterado, havendo o emprego do documento particular falso para destinação probatória junto à Justiça Desportiva”, diz Mauro Marcelo.

“Referido material, conquanto manipulado, possuía relevância jurídica e aptidão para iludir e induzir em erro o Superior Tribunal de Justiça Desportiva na tentativa de reverter a decisão não conquistada em campo, buscando o malfadado ‘tapetão’. Um lamentável acinte à ética desportiva”, continua.

 

Possíveis punições

Entre as punições possíveis, estão o artigo 61 do Código Disciplinar da FIFA e o 234, da Justiça Desportiva Brasileira. A punição de expulsão está prevista na federação internacional como a mais grave possível para a infração de falsificação de documentos ou seu uso. Há também a possibilidade de o clube não poder contratar jogadores. No melhor dos casos, o clube pode receber apenas multa. A Procuradoria vai analisar o relatório e fazer a denúncia nos próximos dias.

Já o artigo 234 prevê suspensão de 6 meses até 2 anos. Estas seriam algumas das punições sugeridas aos dirigentes e advogados. Entre os apontados como culpados no relatório, estão o ex-presidente Vitório Píffero, e vice-jurídico, Gustavo Juchen. Mas o relatório também pede a condenação de advogados terceirizados do clube.

Leia abaixo a nota oficial do STJD

Também pode ser acessado aqui

O Auditor Mauro Marcelo de Lima e Silva concluiu na manhã desta quarta, dia 31 de maio, o inquérito sobre a falsificação de e-mails juntados pelo Internacional em dois processos no Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol. De acordo com o relator, o Internacional não foi o responsável pela falsificação, mas fez uso dos documentos adulterados. Em sua conclusão, Mauro Marcelo opina pela denúncia do Internacional, do ex-presidente Vitório Piffero, ex-diretor jurídico Giovani Gazen, dos advogados do clube Felipe Baumann, Daniel Cravo, Rogério Pastl e Diego do Canto e do ex-gerente de Futebol do Vitória, Anderson Barros. Com a conclusão, o relatório será encaminhado para a Procuradoria da Justiça Desportiva.

No dia 7 de dezembro de 2016 o Internacional entrou no STJD do Futebol como terceiro interessado no caso Victor Ramos e reiterou a denúncia contra o Vitória por suposta escalação irregular do jogador. O clube gaúcho juntou como provas novas cópias de seis e-mails trocados entre a Diretoria de Registro e Transferência da CBF e o Vitória em conversa privada onde se discutia acerca da transferência do jogador (nacional ou internacional). Ciente da documentação, a CBF oficiou o STJD informando sobre a adulteração dos correios eletrônicos e com pedido de apuração da falsificação. Diante dos fatos foi aberta uma Notícia de Infração que resultou na instauração do presente inquérito 012/2017.

Maiconight, o que você acha?

Errou tem que pagar, nas devidas proporções. Falsificar documentos é crime seja no âmbito esportivo ou não. Se já está provado que o Internacional fez tudo isso que seja julgado e receba a pena correta que caiba a esse erro.

O que afirmo com certeza é que esse não é lugar do Inter. O colorado não é réu, não é time de tapetão, muito menos de Série B. As pessoas estragam o esporte, estragam a instituição, estregam a beleza que não se vê em papéis ou telas, estragam a paixão. Se reerga meu amigo vermelho, ainda há tempo.

Comentários