Direção do PT avalia processar o ministro do STF, Gilmar Mendes

O PT avalia entrar com ação judicial contra o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal). Em nota divulgada na quinta-feira, o presidente nacional do partido, Rui Falcão, diz que a direção da legenda repele as acusações que o magistrado fez contra a sigla na quarta-feira da semana passada, na apreciação da Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) interposta pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) no STF contra o financiamento de empresas às campanhas eleitorais.

O ministro Gilmar Mendes (Foto: Divulgação )
O ministro Gilmar Mendes (Foto: Divulgação )

“Ontem, o desvario do ministro estendeu-se até o ponto de vislumbrar uma conspiração da OAB em conluio com o PT para proscrever o financiamento empresarial”, diz o comunicado. Falcão lembra que Mendes pediu vistas do processo por mais de um ano. O presidente nacional do PT recorda que, em 2014, a agremiação já interpelou judicialmente o ministro do STF em razão “de declarações caluniosas desferidas contra o partido”.

Falcão destaca que Mendes “falta com a verdade quando atribui ao seu partido o oportunismo na decisão de condenar o financiamento empresarial”. O presidente nacional petista complementa: “Todos sabem  que a defesa do financiamento público e, portanto a proibição do financiamento empresarial das campanhas eleitorais, é uma bandeira histórica do PT, mais do que isso, o PT, em conjunto com centenas de entidades democráticas, luta pela realização de uma verdadeira reforma política, através de uma Assembleia Constituinte convocada exclusivamente para esta finalidade”.

O texto do partido diz ainda que a série de “impropérios assacada por Mendes durante as longas horas que durou seu voto ofende até os demais ministros da Suprema Corte”. “Infelizmente, esses destemperos anti-PT têm se tornado usuais nas falas do ministro, tanto na sessões do STF quanto nas entrevistas aos mais diversos meios de comunicação.” Por isso, a legenda não descarta em interpelar judicialmente Mendes e diz que aguarda apenas a transcrição da sessão desta quarta-feira no Supremo Tribunal para avaliar novas ações contra ele.

Comentários

comentários