Direção do Fluminense se reúne para debater novo técnico; Primeiro contato é com Abel

Globoesporte.com/JP

Abel Braga deixou o Fluminense em junho de 2018 (Foto: Lucas Merçon/Fluminense FC)

A direção do Fluminense se reuniu, no começo da tarde desta segunda-feira, para debater a contratação de um novo técnico. O presidente Mário Bittencourt, o vice-geral Celso Barros e o diretor executivo Paulo Angioni conversaram sobre as possibilidades de substituto de Fernando Diniz, demitido nesta manhã. O primeiro contato feito foi com Abel Braga, que avalia a possibilidade de retornar ao Tricolor.

Desde que pediu demissão do Flamengo, em 29 de maio, Abelão está sem clube. Nesta segunda, por um compromisso já agendado, o treinador viajou a Porto Alegre. Após ser consultado pela direção sobre o interesse, pediu para os próximos contatos serem feitos com Fábio Braga, seu filho e empresário.

Abel se demitiu do Flu em 16 de junho de 2018, quando tinha um ano e seis meses de trabalho. Na época, ainda na gestão de Pedro Abad, alegou que o desgaste estava muito grande. O clube sofria com o constante atraso salarial e o treinador estava em luto pela morte do filho João Pedro, ocorrida cerca de um ano – Abelão comandou treino no dia seguinte ao falecimento e, no comunicado de saída, disse que precisava pensar nele e na família.

A maneira pela qual o Flu conduziu o caso é até hoje elogiada por Abel. Em recente entrevista ao GloboEsporte.com, o treinador fez questão de agradecer Abad. Há uma espécie de dívida de gratidão, o que pode pesar no eventual retorno. Ao falar sobre o futuro, o deixou em aberto:

– Fiquei seis anos em Portugal, quatro anos nos Emirados Árabes. Eu não vejo salário. Vejo a cultura, aquilo que posso proporcionar à minha família. Eu amo a Europa. Pra mim, não tem nada parecido. Um ex-jogador que trabalhou comigo em Portugal, um marroquino, me ligou, ligou pro meu filho (Fábio Braga, ex-jogador e atual empresário), e veio falar sobre a seleção do Marrocos. Não conversamos nada sobre isso. Não sei o que pensam. Recebi um convite para dirigir duas equipes. Uma é o Al-Ahly (do Egito), que enfrentei no Mundial de 2006 (com o Inter), mas não quis. O Hassan (Hassan Fadil), esse ex-jogador, ligou. Vamos aguardar, vamos ver. Tenho o hábito de não pegar as coisas no meio. Mas saí cedo (do Flamengo) e não posso dizer que não vou pegar alguma coisa se aparecer.

Além de Abel, o nome de Dorival Júnior agrada ao Fluminense. Após ser consultado pelo GloboEsporte.com, o treinador disse não ter sido procurado. Ele está desempregado desde que deixou o Flamengo, ao final de 2018.

Marcão é o interino do Fluminense. Ele deve comandar o Tricolor, quinta-feira, diante do Corinthians, em São Paulo, pela Copa Sul-Americana, no jogo de ida das quartas de final. No Brasileiro, o time é o 18º com 12 pontos.

Comentários