Dinheiro de acordo com a Cesp vai para depósitos judiciais em MS

Acordo firmado com a Companhia Energética de São Paulo (Cesp), mas ainda não assinado, vai destinar cerca de R$ 610 milhões para Mato Grosso do Sul e seis municípios do Estado afetados ambientalmente pela construção e funcionamento da Usina Hidrelétrica Engenheiro Sérgio Motta, em Porto Primavera (SP), que faz divisa com cidades sul-mato-grossenses.

Usina Hidrelétrica de Porto Primavera, na divida de Mato Grosso do Sul com São Paulo (Foto: Reprodução/TV Fronteira)

Brasilândia, Bataguassu, Batayporã, Santa Rita do Pardo e Anaurilândia, vão ser indenizados em quase R$ 280 milhões pela CESP.

O acordo foi firmado nesta segunda-feira (9) depois de duas semanas de negociações, que envolveram as prefeituras, a Promotoria de Justiça de cada município, o governo do estado, o Ministério Público Estadual (MP-MS) e a CESP.

Além das prefeituras, a empresa ainda indenizará o estado em outros R$ 280 milhões. Esses recursos vão ficar retidos em um depósito judicial. O estado conseguiu ainda um valor extra de R$ 50 milhões, que serão destinados a duas ações ambientais.

Cada município vai decidir o que fará com o dinheiro.

Comentários