Dilma usou codinome “Iolanda” em e-mail secreto para João Santana

R7/JP

Marlene Bergamo/Folhapress

A ex-presidente Dilma Rousseff usou o codinome de “Iolanda” em um e-mail enviado ao marqueteiro João Santana, segundo informações da delação premiada dele e da mulher, Mônica Moura.

O e-mail teria sido enviado ao casal quando havia claros indícios de que os dois seriam presos.

“O seu grande amigo está muito doente. Os médicos consideram que o risco é máximo, 10. O pior é que a esposa, que sempre tratou dele, agora está com câncer e com o mesmo risco. Os médicos acompanham os dois, dia e noite”, diz a mensagem.

O “grande amigo” seria João Santana e a mulher seria a própria Mônica Moura.

O endereço de e-mail foi criado pela própria Mônica Moura no Palácio do Planalto, após Dilma chamá-la para uma conversa e manifestar preocupação com o avanço da Lava Jato.

“Precisamos manter contato frequente de uma forma segura para que eu lhe avise sobre o andamento da operação, estou sendo informada de tudo frequentemente pelo José Eduardo Cardozo (então Ministro da Justiça)”, teria dito Dilma à marqueteira.

“Combinaram então que se houvesse alguma notícia, com relação ao avanço da operação Lava Jato, notadamente em respeito a Mônica Moura e João Santana, ela avisaria através do e-mail”, diz a delação.

Relatos dos delatores indicam ainda que havia uma espécie de sinal para que o casal checasse o e-mail. Dilma enviava mensagem para o celular de Mônica Moura com frases irrelevantes, como “veja aquele filme”, “gostei do vinho indicado”.

Em maio de 2015, preocupada com o avanço da Lava Jato, Dilma encontrou com Mônica Moura no Palácio e pediu que a marqueteira criasse um segundo e-mail secreto.

A conta usada era [email protected]

“Em uma sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016, Mônica Moura foi avisada pelo meio secreto (e-mail), que já existia mandados de prisão assinados contra eles”, acrescenta um trecho da delação.

Comentários