Detento é encontrado morto na Máxima depois de grito de guerra do PCC

Jackson Nogueira

O detento Manoel Gamarra, de 32 anos foi encontrado morto no Presídio de Segurança Máxima, em Campo Grande, nesta sexta-feira (5). Um dos agentes penitenciários encontrou o corpo dentro de cela.

Homem foi encontrado morto pendurado em corda –

De acordo com o relato da testemunha à polícia, os detentos tinham sido recolhidos do banho de sol por volta de 11h20. Os agentes estavam fazendo o fechamento das celas quando um dos funcionários encontrou o corpo, na ala B do local. O homem estava pendurado pelo pescoço por uma corda amarrada no teto.

Ainda segundo o funcionário do presídio, os detentos da mesma ala se reuniram na quadra minutos antes do corpo ser encontrado. Eles gritaram ordens de uma organização criminosa PCC, sendo “um por todos e todos por um”, “Se Deus é por nós, quem será contra nós” e por fim, repetiram por diversas vezes a sigla PCC.

A polícia está investigando o caso, que foi registrado na 3º Delegacia de Polícia de Campo Grande como morte a esclarecer.

Manoel Gamarra cumpria pena por tráfico de drogas, crime pelo qual foi condenado a cinco anos e seis meses de prisão em julgamento realizado em 2013. No ano passado, ele conseguiu progressão de regime, passado para o semiaberto.

No entanto, segundo processo no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, no primeiro dia no semiaberto, Gamarra fugiu e Justiça expediu mandado de prisão para que ele retornasse ao regime fechado.

Ainda segundo os autos do processo, detento tinha péssimo histórico prisional, demonstrado através das inúmeras faltas disciplinares cometidas no decorrer do cumprimento da pena.

Comentários