Desmatamento no Parque dos Poderes ao lado da AL-MS chega em denuncia a Casa

Paulo Correa_1Um visível desmatamento da reserva do Parque dos Poderes foi denunciada na AL-MS (Assembleia Legislativa de MS) e nesta quarta-feira (8) o deputado Paulo Correa (PR) cobrou da tribuna uma posição da Casa de Lei sobre a abertura de uma área ao lado da própria AL-MS, que segundo ele preocupa pelo Meio Ambiente a ser preservado, bem como por não haver nada de referencia a quem ou ao que será feito no local. O parlamentar subiu a tribuna para falar do assunto, chamando atuação da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Legislativo para buscar sobre toda a situação. Ele posteriormente disse imprensa, que foi informado extra-oficialmente, que o caso envolve até um órgão público do Poder Judiciário que irá construir novo prédio.

“Temos que esclarecer a questão e pior será um órgão público, mas a situação é preocupante e está feia. Temos que fazer uma reunião e chamar os responsáveis, porque não há nem mesmo placa com informações sobre a razão desta abertura, da obra”, disse Correa, lembrando ainda que, o Parque dos Poderes é um distrito estadual, com prefeito responsável pela administração, e, que há órgãos para serem consultados e também cabe aos parlamentares a atuação fiscalizadora.

Correa ressalta ainda que o Parque dos Poderes e o Parque das Nações Indígenas totalizam 127 hectares e estão entre os maiores complexos de área verde do Brasil, não podendo ser mexidos, mas que veem sendo ‘exprimido’ ao redor e desestruturado em partes interna, além do permitido. “Denunciamos e pedimos para Casa, para nossa Comissão, tomar providencias e ver esse e outros desmatamentos, que estão ocorrendo no Parque. Bem como analisarmos que o Governo do Estado desaproprie algumas áreas ao redor, pois a cidade está fechando e vai deixar ilhado o Parque e até pode afetar sua existência em si. A área foi criada há 35 anos por nosso grande governador Pedro Pedrossian, para servir de exemplo de preservação natural e para um complexo administrativo. O governo é parte disto e tem que fazer ou continuar a fazer atos do que Pedrossian fez”, mencionou o republicano.

O presidente da Comissão de Meio Ambiente da AL-MS, Amarildo Cruz (PT), apontou que o colegiado irá tomar as medidas necessárias, pedir explicações e exigir reparos. “A denuncia já havia chegado e pronunciamento do Paulo Correa é oportuno para fazermos exposição da questão e ter mais contribuições. Vamos pedir oficialmente qual é obra, o porque do então desmatamento abrupto, sua dimensão, os documentos, se houve estudos e porque não comunicaram e se deu satisfação aos órgãos responsáveis e de administração do próprio parque. Se preciso vamos usar do expediente de convocar obrigatoriamente os responsáveis e buscar solução de reparação”, apontou o titular da CMADS.

Providencias urgentes

Corrêa e Picarelli: desmatamento em área ao lado da Assembleia Legislativa preocupa (Foto: Roberto Higa )
Corrêa e Picarelli: desmatamento em área ainda ao lado da Assembleia preocupa (Foto: Roberto Higa)

O 1º vice-presidente da Casa de Leis, Onevan de Matos (PSDB), e o corregedor-geral, Maurício Picarelli (PSDB), defenderam as providências imediatas. “Temos que tomar medidas urgentes, para que haja punição se houve alguma irregularidade”, afirmou Onevan. “Temos que zelar pelo que nos pertence e não permitir o desmatamento à toa; esta Casa tem o dever de fiscalizar”, disse Picarelli.

Amarildo Cruz (PT), informou que amanhã já apresentará requerimento cobrando explicações. “Em tempos de legislação ambiental flexibilizada, temos que, mais do que nunca, aumentar a vigilância; zelar pelo que é patrimônio de todos os sul-mato-grossenses”, argumentou.

Semana do Meio Ambiente

A defesa do meio ambiente e a preservação do complexo que reúne o Parque dos Poderes e o Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande, foram os temas principais abordados pelo deputado Paulo Corrêa (PR), durante a sessão plenária desta quarta-feira (8). “Estamos no mês do Meio Ambiente e a Assembleia Legislativa não deixou a data passar em branco”, disse referindo-se ao ato simbólico, antes da sessão, do plantio de mudas de árvores nativas das espécies Ingá, Araçá do Campo, Ipê e Aroeira, na área próxima ao Pavilhão das Bandeiras, que fica na rampa de acesso ao Palácio Guaicurus, sede do Poder Legislativo.

Comentários

comentários