Desmatamento na Amazônia cresce 29,5% em um ano

VEJA/JP

Desmatamento da floresta amazônica para a agricultura (Foto: Jose Caldas/Brazil Photos/LightRocket/Getty Images)

No período de um ano, uma área de 9.762 km² da Amazônia Legal foi desmatada. A taxa representa uma alta de 29,5% ocorrida entre 1º de agosto de 2018 e 31 de julho deste ano na comparação com a mesma época dos doze meses anteriores. Esta é a taxa mais alta desde 2008 e equivale a cerca de 1,4 milhão de estádios de futebol. Entre agosto de 2017 e julho de 2018, o corte da floresta havia ficado em 7.536 km².

As informações foram divulgadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), com base no Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes). O anúncio em São José dos Campos (SP)  teve a presença dos ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Marcos Pontes (Ciência), e do diretor interino do Inpe, Darcton Damião. Para a medição anual do desmatamento, o Prodes é considerado o sistema mais preciso.

Outra ferramenta do Inpe, o Deter, que emite alertas à fiscalização em tempo real, já vinha sinalizando a tendência de alta da derrubada da floresta neste ano. Os dados, no entanto, foram desacreditados pelo governo Bolsonaro. Em julho, o presidente declarou que os números eram “mentirosos” e que a direção do Inpe estava “a serviço de alguma ONG”. Naquele mês, o Deter havia registrado uma área desmatada 278% maior do que em julho de 2018.

Os estados do Pará, Rondônia, Mato Grosso e Amazonas foram responsáveis por mais de 80% do total desmatado no período – a Amazônia Legal também abrange áreas no Acre, Amapá, Maranhão, Roraima e Tocantins.

O desmatamento detectado neste ano foi o terceiro pior da história. O Prodez faz o monitoramento por satélites desde 1988, quando o desmatamento chegava a 20.000 km² por ano. A maior taxa registrada ocorreu em 1995, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, quando atingiu o patarmar de 29.100 mil km². Depois, a taxa caiu, mas voltou a crescer nos anos 2000 chegando ao ápice de 27.772 km², em 2004, na gestão de Lula. Em 2012, sob o governo Dilma Rousseff, o sistema registrou a menor taxa de sua história – 4.571 km². A partir de então, o registrou oscilou entre 5 e 7 mil km², e voltou a crescer a partir de 2017.

Comentários